terça-feira, 2 de outubro de 2012

os quatro tipos de vasos que escolhe

TEXTO BASE II° TM 2: 20,21

INTRODUÇÃO

TEMA: Os 4 Tipos de Vasos Que Deus Escolhe= I

Somos comparados na Bíblia a um vaso. Existem vários tipos de vasos.

Vasos de ouro, de prata, de pau e de barro.

Talvez se nós fossemos escolher algum deles certamente escolheria o vaso de ouro.

Porém Deus escolheu colocar o seu tesouro nos vasos de barro para que a excelência do poder não seja do vaso, mas do Senhor.

Veremos então, que tipo de vasos somos nós e qual a nossa utilidade.




I° VASO ESCOLHIDO=AT9: 15

“Esta primeira revelação está no Episódio da conversão de Saulo.

Após ele ter um encontro com o Senhor e ficar cego, Deus envia o seu servo, Ananias para ir ao seu encontro.

Porém Ananias responde ao Senhor que muitas coisas ruins haviam sido ditas acerca de Saulo, mas o Senhor o diz: Ananias este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome aos gentios e aos Reis de Israel.

Somos vasos escolhidos. Dentre milhares de pessoas Deus escolheu a nós.

1° O presente versículo ensina o propósito e desígnio de DEUS nas vidas dos homens, em termos gerais, porquanto DEUS conhecia a Saulo e Ananias, e ambos tinham lugar nesse plano, como também dele participam todos os homens. Isso é teísmo ao invés de deísmo.

2° O teísmo ensina que DEUS não apenas criou todas as coisas, mas também que conserva o interesse pela sua criação, dirigindo e exercendo a influência de sua vontade sobre as vidas humanas, para cumprimento de seus propósitos, determinando os seus destinos; também galardoa e pune aos homens, e, de modo geral, intervém sobre a vida humana, sendo ele o alvo apropriado de todos os homens.

3° Já o deísmo aceita a existência de um “deus”, de deuses ou de forças cósmicas que teriam criado o universo; no entanto, não se interessam pelo mesmo, tendo-se afastado do mesmo, sendo que também nem pune e nem galardoa aos homens.

“Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. tais homens são, por isso, indesculpáveis” (Rm. 1: 20).

4° Além disso, este mesmo versículo ensina-nos que o interesse de DEUS não tem apenas um caráter geral, que reduz os homens a pessoas sem nome, pelo contrário, o Senhor se interessa individualmente por cada um, tendo uma missão para cada um.

5° Dessa forma, todos os homens, em certo sentido, podem ser vasos ou instrumentos como no bem-estar de seus semelhantes humanos.

6° Assim sendo, o poder de DEUS fez com que Paulo se tornasse um vaso escolhido tendo-lhe sido conferida uma missão distinta. E o próprio Paulo, já apóstolo, sentia ser um vaso de barro, indigno de encerrar tão grande tesouro.

“Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de deus e não de nós”(2 Co 4. 7).

7° Por conseguinte, a mensagem que Ananias foi encarregado de transmitir a Saulo foi realmente grandiosa.

“Então, Ananias foi e, entrando na casa, impôs sobre ele as mãos, dizendo:

Saulo, irmão, o senhor me enviou, a saber, o próprio jesus que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recupere a vista e fiques cheio do Espírito Santo”. (At 9. 17).

8° Deve-se observar, por semelhante modo, como DEUS determina os acontecimentos da vida de um homem, a fim de torná-lo apto para o tipo de vaso que deve ser para a obra particular que ele precisa realizar na vida.

9° Assim é que, no caso de Saulo de Tarso, tudo quanto ele fora e aprendera a educação que recebera, o seu prepara intelectual na religião judaica, e até mesmo o contexto de sua personalidade, contribuía para fazer dele um caso como DEUS queria.

10° DEUS outorga e utiliza os dotes naturais de um indivíduo, e ordena sua forma de treinamento e desenvolvimento, antes mesmo de sua conversão, a fim de prepará-lo para a obra e a missão que deve receber, após sua conversão.

“Quem quer  que considere o caráter de Paulo, a sua educação, as suas realizações quanto aos conhecimentos naturais, o papel distinguido que lhe foi outorgado, primeiramente contra o cristianismo, e depois, na mais profunda convicção, o papel que desempenhou em favor do cristianismo, perceberá, de imediato, quão bem ele estava qualificado para grande obra para a qual Deus o havia chamado” (Adam Clark).

Três seriam as esferas principais das atividades de Saulo, quando fosse o grande apóstolo Paulo. Vejamos:

1° Pregaria o evangelho às nações, porque, através dele, o evangelho seria estabelecido no mundo gentílico. Foi quase sozinho que ele ergueu o cristianismo à posição de uma religião mundial, alterando assim o curso da história da humanidade.

2° Pregaria o evangelho a reis. Dentre todos os seguidores de JESUS, Paulo era o mais qualificado para ser testemunha perante os governadores do mundo.

3° Pregaria o evangelho ao povo de Israel. Fora um dos seus melhores elementos, mas tornara-se elemento excelente quando de sua conversão; e foi comissionado a anunciar essa mensagem de transformação ao seu próprio povo, de forma especial e cheia de vigor.

4° Com sucesso e fielmente foi que Paulo cumpriu essas três esferas de atividade. Nas duas primeiras esferas ultrapassou imensamente o serviço e o poder de quaisquer outros cristãos primitivos.

5° É interessante observar, que Paulo seria alvo dos ataques desfechados por muitos, sendo inclusive, punido com muitos sofrimentos.

6° Contudo, o fato de que Paulo assim tivesse de sofrer, em defesa da fé que anteriormente havia perseguido tão ferozmente, serve de prova insofismável da autenticidade de sua conversão, bem como da veracidade do cristianismo.

7° É muito significativo que Paulo encarava o sofrimento como uma forma de dom dada aos cristãos, contanto que esses sofrimentos fossem em favor de CRISTO.

“Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente de credes Nele”. (Fl 1. 29).

A ser viço do rei Pr. João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário