segunda-feira, 5 de novembro de 2012

sete medida da lingua


TEXTO BASE MT 7: 2 / TG 3: 1 =12

INTRODUÇÃO

TEMA: SETE MADIDAS DA LINGUA=I 

A fofoca é uma forma de vingança.

Através da língua pode-se fazer o que quiser com outra pessoa.
Certamente o fofoqueiro atrai para si intrigas e sai semeando contendas.
Depois se faz de vítima lamentando que ‘falaram de mim’.
O que seria então um ‘remédio’ contra o veneno da língua?

Podemos receitar duas doses para curar isso:





1º- Ignore o fofoqueiro e suas conversas, pois o que deseja é confusão.

2º- Encare a situação e tire a limpo se for algo que compromete sua moral.

Quanto mais assunto você der, mais o fofoqueiro alcança seu objetivo, por isso é bom primeiro ignorar.
Se o problema persiste, então é a hora de perguntar o que acontece e de onde tira as conversas.
Alguns fofoqueiros desanimarão na primeira tentativa, outros não suportarão a segunda.
Ambos são fracos e covardes.

A bíblia condena a fofoca orientando para “não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo; não atentarás contra a vida do teu próximo” (Levítico 19: 16) e alerta que “o mexeriqueiro revela o segredo; portanto, não te metas com quem muito abre os lábios” (Provérbios 20: 19).
Qual a medida de sua língua?
Vamos continuar refletindo à luz do texto de Tiago 3: 1 =12:

1ª medida – Tropeço: Tiago 3: 2 “Porque todos tropeçamos em muitas coisas.

Se alguém não tropeça no falar, é perfeito varão, capaz de refrear também todo o corpo”
A primeira medida da língua é um tropeço ou obstáculo pequeno que pode fazer a pessoa tombar ao chão.
Interessante que ninguém tropeça num grande bloco de granito, mas pequena brita pode fazer cair por terra.
A língua é um tropeço quando falamos algo que poderia ficar sem dizer.
Antes de falar a pessoa sabe que pode guardar sua língua.
Contudo, depois que solta a fala, não tem como retornar de volta. Semelhante a quem joga sabão sobre o chão molhado é preciso tomar cuidado com quem fala demais porque é escorregadio e perigoso.
Você já tropeçou em sua língua?
Guarde as palavras somente para quando for necessário!

2ª medida - Freio: Tiago 3: 3 “Ora, se pomos freio na boca dos cavalos, para nos obedecerem, também lhes dirigimos o corpo inteiro”

A segunda medida da língua é o freio ou o momento em que a pessoa tem que começar a se esforçar para soltar mais a língua, como se esticasse o órgão para conseguir falar.
É neste ponto que o ‘sinal vermelho’ acende e a consciência tem a última oportunidade de parar o erro que começou. Se não frear agora, pode se tornar como um carro desgovernado morro abaixo.
A bíblia nos adverte para não ser “como o cavalo ou a mula, sem entendimento, os quais com freios e cabrestos são dominados; de outra sorte não te obedecem” (Salmos 32: 9).
Uma característica de fofoqueiros é não ter freios na boca. Vive sempre fazendo perguntas para colher informações sobre os outros e sempre tem uma novidade pra contar.
Você já tentou em frear sua língua?
Resista a vontade de falar!

3ª medida: Leme: Tiago 3: 4 “Observai, igualmente, os navios que, sendo tão grandes e batidos de rijos ventos, por um pequeníssimo leme são dirigidos para onde queira o impulso do timoneiro”

A terceira medida é comparada ao pequeno leme de um grande navio.
A função do leme é guiar a direção correta. Isso mostra que o que falamos direciona nossas vidas.
Quem fala muito de futebol, quem conversa muito com política, televisão e tantos outros assuntos, acaba se envolvendo demasiadamente com o que fala, pois “a boca fala do que está cheio o coração” (Mateus 12: 34).
O fofoqueiro, entretanto não tem direção em sua vida. Vive querendo conduzir a vida alheia. Com isso acaba seguindo os passos errados das pessoas que persegue.
Como você tem guiado sua língua?

O que você fala conduz a sua vida!

4ª medida: Fogo: Tiago 3: 5,6 “Assim, também a língua, pequeno órgão, se gaba de grandes coisas.
ede como uma fagulha põe em brasas tão grande selva!

“Ora, a língua é fogo; é mundo de iniqüidade; a língua está situada entre os membros de nosso corpo, e contamina o corpo inteiro, e não só põe em chamas toda a carreira da existência humana, como também é posta ela mesma em chamas pelo inferno”
A quarta medida é comparada a uma fagulha de fogo que pode provocar grande destruição.
Uma palavra é algo tão pequeno como uma fagulha, mas pode ter consequências incontroláveis.
As palavras são como uma caixa de fósforo que guarda o fogo e depois de acesos os palitos não se pode mais conter seus efeitos.

Quando você sente aquela vontade de falar o que vêm na ‘ponta da língua’ este fogo está se acendendo e quando você solta a palavra, o fogo consome quem estiver perto.
Você já sentiu a língua queimar com vontade de falar?
Cuidado para não provocar incêndios!

5ª medida - Indomável: Tiago 3: 7,8

“Pois toda espécie de feras, de aves, de répteis e de seres marinhos se doma e tem sido domada pelo gênero humano; a língua, porém, nenhum dos homens é capaz de domar; é mal incontido, carregado de veneno mortífero”
A quinta medida da língua é ‘indomável’.
Pense bem, se já passou pelas medidas do tropeço e caiu; do freio e não se controlou; do leme e não se guiou e do fogo e não se conteve, quando chega aqui a língua já não tem controle mais.
O texto declara que todos os animais são domáveis, contudo a língua não tem sido domada pelo ser humano.

A arte de domar animais exige paciência e muito treinamento. Do mesmo modo, para domar a língua é preciso se treinar, colocar limites e se esforçar muito.

Uma estratégia que aconselho para domar a língua é cantar um hino de louvor,  meditando na letra de um cântico para se distrair e tentar esquecer o que deseja falar e mudar de assunto assim que possível com uma “palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um” (Colossenses 4: 6).

Você tem domado sua língua?

Adestre sua boca para falar somente o que edifica!

6ª medida - Fonte: Tiago 3: 10,11

“De uma só boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não é conveniente que estas coisas sejam assim.
Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso?”
A sexta medida se compara a uma fonte.
A fonte é onde brota água.

Esta se mistura facilmente e absorve sabor.
Desta maneira, não há meio termo.
Ou é boa ou ruim, pois “um pouco de fermento leveda toda a massa” (Gálatas 5: 9).
O profeta Eliseu certa vez curou uma fonte de água amarga jogando um pouco de sal (II Reis 2: 21).
Muitas vezes nossas palavras estão faltando este ‘sal da terra’ que cura para temperar nossas palavras.
Falar do Evangelho e compartilhar a Palavra é uma maneira garantida de manter a boca ocupada com coisas edificantes.

A água depois que sai da fonte não retorna nunca mais.
Assim também é a palavra que sai da boca e nunca mais tornará de volta.
Então é preciso muito cuidado antes de falar, pois depois de dito e ouvido, os efeitos surgirão naturalmente.
Que tipo de palavras têm fluído de sua boca?

Procure dizer palavras que edificam quem ouve!

7ª medida - Fruto: Tiago 3:.12

“Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos?
“Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce”
A sétima medida da língua mostra que nossas palavras dão fruto.
Cada semente dá um tipo de fruto e no seu tempo. Então devemos ter muito cuidado com as palavras que estamos plantando porque certamente colheremos de acordo com elas.
E “não vos enganeis:

“De Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6: 7).
Quem semeia confusão colhe contenda.
Quem semeia bênção colhe edificação.

O fofoqueiro vive semeando contendas, espalhando conversas que cruzam e aumentam passando de um por um até a confusão estar formada.

Depois o fofoqueiro se faz de vítima e diz que não entendeu ou desmente tudo.
O que você tem semeado e colhido?

Semeie bênçãos para colher vitórias!

Cuidado com a língua! Tiago 4: 11,12

CONCLUSÃO

Para a língua há uma solução. Guardá-la na boca. Cada um cuide de sua vida.
Deus deu a cada um dois ouvidos e uma só boca para que “seja pronto para ouvir, tardio para falar” (Tiago 1: 19).

Além disso devemos orar pedindo “SENHOR, livra-me dos lábios mentirosos, da língua enganadora” (Salmos 12: 2)

E “põe guarda, SENHOR, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios” (Salmos 141: 3).

Se você fosse medir sua língua a qual destas medidas chegaria?:

1ª medida – Tropeço: Está tropeçando em suas palavras?

2ª medida - Freio: Precisa se controlar mais?

3ª medida – Leme: Falta guiar melhor o que diz?

4ª medida – Fogo: Está acendendo incêndios?

5ª medida – Indomável: Não tem mais limites?

6ª medida – Fonte: Tem Jorrado vida ou morte?

7ª medida – Fruto: Tem colhido bênçãos ou confusão?

Consagre seus lábios para ser usado pelo Senhor!

A ser viso do rei Pr. João Nunes machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário