sábado, 18 de maio de 2013

a mulher sabia edifica a sua casa


TEXTO BASE PV 14: 1

INTRODUÇÃO

TEMA: A MULHER SÁBIA EDIFICA A SUA CASA

“Toda mulher sábia edifica a sua casa; a insensata, porém, derruba-a com as suas mãos”
PV 14: 1 a palavra do Senhor diz: Toda mulher sábia edifica a sua casa, mas a tola derruba com as suas próprias mãos.
Mas em que condições  o Senhor reconhece a sabedoria da mulher? Porventura o Senhor está referindo-se a mulher culta de desenvolvimento intelectual que possua formação didática? Certamente não.
No livro dos Salmos a palavra afirma que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e com os humildes está à sabedoria.
A palavra faz alusão à mulher dotada de humildade espiritual na presença do Altíssimo, como Sara mulher estéril, sendo da idade de noventa anos, e tendo cessado o costume das mulheres, mas cheia de fé e temor a Deus, não duvidou da promessa do Senhor em lhe abençoar, dando-lhe um filho em sua velhice, colocando-a como mãe das multidões das nações pelo concerto  que o Senhor havia feito com o seu marido, o nosso pai na fé, o patriarca



Abraão, sendo esse da idade de cem anos.
Exemplo também a sabedoria de Rute, que após ter ficado viúva e vendo sua sogra órfã, apegou-se a ela, recusando em voltar para o conforto da casa dos seus pais, terra onde nascera optando em acompanhar e amparar a sua sogra em sua aflição, acompanhando-a um povo que dantes não conhecia, e foi galardoada pelo Senhor pelo seu feito, e pela sua sabedoria.

Não poderíamos deixar de sublimar a sabedoria de Ana, quando atribulada, humilhada, e excessivamente irritada pela sua competidora, porque o Senhor lhe havia cerrado a madre, ela, pois, com amargura na alma, orou ao Senhor e chorou abundantemente, e fez um voto dizendo:
Senhor dos Exércitos, se benignamente atenderes para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres, e a tua serva deres um filho varão, ao Senhor o darei para todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passarás navalha.
E aconteceu que na mesma noite, o Senhor se lembrou de Ana, e concebeu, e teve um filho, e chamou o seu nome Samuel.
O Senhor honrou a sua fé, a sua humildade, a sua sabedoria em buscar no Senhor, as suas precisões e alívio das suas angústias e tribulações.
Precisamos enfatizar também, o delírio de algumas mulheres néscias, que pela insensatez traspassaram a si mesma com muitas dores.

Foi o Caso da mulher de Ló, quando o Senhor fez cair fogo e enxofre sobre as cidades de Sodoma, e Gomorra e as cidades circunvizinhas, essa mulher, em seu desvairo e desobediência, olhou para trás e foi convertida numa estátua de sal.
Acontecimento semelhante ocorreu com a mulher de Jó, a qual não conhecendo os propósitos do Senhor, acabou por blasfemar contra Ele dizendo a Jó: “Ainda reténs a sua fidelidade?
Amaldiçoa o teu Deus e morra”. Jó Porem repreendeu-a porque falava como uma louca. Em tudo isso não pecou Jó, e pelo Senhor foi agraciado.

Necessário é referenciar também o delírio de Safira, mulher de Ananias, a qual, em cumplicidade com o seu marido, ambos foram flagrantemente apanhados em mentira ao Espírito Santo de Deus, e morreram, porque os mentirosos não herdarão o Reino de Deus.

I° ALGUMAS DAS VIRTUDES DA MULHER SÁBIA PV 31: 10 = 31
Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de finas jóias. O coração do seu marido confia nela, e não haverá falta de ganho.
Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida. Busca lã e linho e de bom grado trabalha com as mãos.
É como o navio mercante: de longe traz o seu pão. É ainda noite, e já se levanta, e dá mantimento à sua casa e a tarefa às suas servas.
Ela percebe que o seu ganho é bom; abre a mão ao aflito; e ainda a estende ao necessitado. Não teme a neve, pois todos andam vestidos de lã escarlate.
Faz para si cobertas, veste-se de linho fino e de púrpura.
Seu marido é estimado entre os juízes, quando se assenta com os anciãos da terra.
Ela faz roupas de linho fino, e vende-as, a força e a dignidade são os seus vestidos, e, quanto ao dia de amanhã, não tem preocupações.    
Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua.
Atende ao bom andamento da sua casa e não come o pão da preguiça.
Levantam-se seus filhos e lhe chamam afortunada; seu marido a louva, dizendo: Muitas mulheres procedem virtuosamente, mas tu a todas dominas.
Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa será louvada.
Dai-lhe do fruto das suas mãos, e de público a louvarão as suas obras.

II° OS DEVERES DAS MULHERES CRISTÃS
A primeira carta de Paulo a Timóteo 2: 9 e 10
Diz: Que as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças (penteados mirabolantes), ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos, mas (mas como convém às mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras.
Confirmado na Carta universal de I° Pedro 3. 3:
O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura de vestes.
E na carta a Tito 2: 3 ao 5, a palavra exorta:
As mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias no seu viver, como convém a santas, não caluniadoras, não dadas ao vinho, mestras no bem; para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos;
A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seu marido, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada.
Romanos 6: 12, 13 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas cobiças; Nem tão pouco apresenteis os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivo dentre os mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.
Portando, o Senhor exorta a mulher sobre o seu dever e procedimento, e alerta que a sua beleza seja no seu modo de agir, na pureza e santidade do seu coração, simplicidade no exterior do seu corpo, liberta e desprovida de toda vaidade.
Que não se apegue à vaidade, e aos costumes mundanos, que não se envolva em contenda, e não ande na loucura das paixões infames.

III° A VAIDADE QUE PODE SER MORTA
Freqüentemente os órgãos de imprensa noticiam morte de mulheres após receberem aplicação de alguns produtos usados no tratamento de cabelo ou de pele, por intoxicação pela ação dos produtos químicos no organismo humano.
Conhecemos também uma jovem, empreendedora, executiva de classe média, tendo sido submetida a uma cirurgia de estética para correção dos seios, alguns dias após, foi sucumbida fatalmente pela ação fulminante de uma bactéria letal, adquirida durante o processo de cirurgia.
Constantemente os veículos de comunicação divulgam óbito de mulheres durante o processo de emagrecimento pela anorexia, outras pela ingestão de medicamentos incompatíveis, e uma infinidade de complicações em cirurgias simples de estética, que a mulher acaba perdendo a vida precocemente pela sua vaidade.
Você mulher, para ser bela na presença de Deus, não precisa acrescentar e nem deduzir nada no seu corpo.
É impossível você dimensionar o seu valor, o amor que o Senhor Deus tem por você.  
Ele só olha para o seu interior, para a singeleza do seu coração, o que você fizer para ornamentar o seu exterior não tem valor algum para Deus, aliás, Ele abomina toda vaidade.
A palavra do Senhor assegura com clareza que a beleza da mulher não está na moldagem dos seus cabelos pela habilidade do artífice, no fino trato da sua pele ou na extravagância das suas vestes, porque você já tem a luz de Cristo que alumia o seu rosto e faz a diferença entre você e as que não temem a Deus.
Mas quando você se dá ao uso de pinturas, maquiagens, jóias para melhorar o seu visual, para apresentar-se bem esteticamente, esses acessórios produzem um efeito contrário, ofuscam a luz que há em você, porque são coisas inúteis e vãs que desagradam ao Senhor, porque o seu corpo  é o templo do Espírito Santo, e esse templo tem que ser íntegro, puro, santificado.  
Deus não olha para a sua beleza exterior.
No livro de Eclesiastes a palavra do Senhor diz que toda vaidade é aflição de espírito, mas a mulher que tem compromisso com os mandamentos de Cristo tem paz no coração, e precisa ter consciência disso, precisa saber que a sua beleza não está na aparência física, mas no desprovimento de toda vaidade que muitas de vós estão sujeitas.
A sua beleza está na sabedoria de servir a Deus com toda humildade, santidade e na obediência dos mandamentos do Senhor.
Precisa se conscientizar da sua fundamental importância no seio familiar, e ter a confiança que  pela sua sabedoria, vai trazer um relacionamento harmonioso de paz para dentro da sua casa.
I Pedro 3.1: Vós mulheres, sede sujeitas ao vosso próprio marido, para que também, se algum não obedece à palavra, pelo procedimento de sua mulher seja ganho sem palavra,
Romanos 8. 20: A criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou.

IV° A RECOMPENSA PARA O HOMEM QUE TEME AO SENHOR
Salmos 128: 3, 4: A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos, como plantas de oliveira, à roda da tua mesa.
Eis que assim será abençoado o homem que teme ao Senhor!
A ser-viço do rei Pr. João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário