quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Autoridade Espiritual

TEXTO BASE GENESIS 1: 28

INTRODUÇÃO

TEMA: Autoridade Espiritual

“Então Deus os abençoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.”
Nesta singela obra desejamos lançar luz sobre um princípio fundamental da Escritura para que possamos ter uma vida cristã vitoriosa no mundo espiritual, trata-se do princípio de autoridade espiritual, que Cristo delegou a igreja.

Temos que entender que desde o princípio da criação Deus teve a intenção de delegar (outorgar) poder ao homem, para que este governasse o reino animal.







1 - DEUS OUTORGOU AUTORIDADE NATURAL AO HOMEM

“E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.” Gênesis 1: 28.

Muitas coisas que no Antigo Testamento são figuras, no Novo Testamento houve o cumprimento (Hebreus 8: 5; 10:1), muitas coisas que no Velho Testamento tratam ao mundo natural, no Novo há paralelismo em relação ao espiritual, é isso justamente o que ocorre com o princípio de autoridade espiritual.
No início Deus outorgou ao homem poder para governar o mundo natural, no Novo Testamento Cristo outorgou a Igreja o domínio sobre os demônios (principados e potestades)

2 - A AUTORIDADE ESPIRITUAL ESTÁ ACIMA DE PODER
“Eis que vos dei autoridade para pisar serpentes e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo; e nada vos fará dano algum.” Lucas 10: 19.
O contexto dessa passagem de Lucas mostra que Jesus Cristo deu a Igreja (os seus filhos) autoridade sobre o poder maligno.

Aqui cabe algumas elucidações.
Em primeiro lugar, poderíamos exemplificar essa idéia como um exército. Cristo nos colocou na posição de Coronéis, sendo que temos supremo domínio sobre os militares abaixo da nossa patente.
Assim sendo, um cabo (no nosso exemplo um demônio), mesmo sendo mais forte fisicamente que o Coronel é obrigado a obedecer as ordens do Coronel, independente do seu poder, pois a ordem parte de cima para baixo. Não interessa se o Coronel só consegue levantar 30 Kg e o Cabo 200 Kg com sua força física, o que importa é quem está acima na patente.

Cristo, outorgou a igreja a condição de estar acima de principados e potestades (os demônios).
Não importa o vigor físico ou o “barulho” que o diabo possa fazer, existe uma questão bem simples a considerar.

A igreja está acima dele, e o mal sai ou ele sai, independente da força que o inimigo possua. Muitas vezes os cristãos erram neste quesito.

Ficam amedrontados, fazem o jogo do diabo e perdem a batalha. Não podemos ser assim.
Davi foi um bom exemplo de um vencedor, pois quando ele lutou contra Golias ele não olhou para sua própria condição (I Sm 17: 45), ele não se comparou com o gigante.
Ele comparou Golias com o seu Deus, e o menino pode vencer o grandalhão porque sabia que Deus era com ele pra derrubar o inimigo.

Em segundo lugar cabe outra consideração. O coronel quando manda, ele sabe que a sua ordem será obedecida pelos seus comandados, ele não precisa ficar inspecionando cada tarefa que ele mandou fazer.
Os militares abaixo simplesmente obedecem porque sabem quem está mandando. Neste ponto muitos cristãos entram em derrota, pois eles possuem a autoridade espiritual delegada por Cristo, mas agem como se não a tivessem, ora ordenam ao diabo que solte determinada área, mas logo em seguida anulam a sua ordem indo “ver” a se a sua ordem foi cumprida. Poderíamos dizer que quem crê manda e aguarda que seja cumprida a sua ordem.

3 - SABER NOSSA POSIÇÃO É CHAVE NO USO DA AUTORIDADE
“e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus,” Efésios 2: 6.

Muitos ainda vivem olhando só para o mundo natural, não aprenderam a crer na palavra de Deus que afirma que estamos posicionalmente junto com Cristo nos lugares celestiais.
A Bíblia fala sobre 3 domínios.

O primeiro domínio é o natural (na terra) que está sobre o homem natural; o segundo domínio está no governo dos ares, que Satanás e seus demônios exercem (Efésios 6:12).
O último domínio está nos Lugares Celestiais, onde o cristão está posicionado em Cristo. Portanto, estamos acima de todo poder maligno.

Algo interessante a dizer, se Satanás nos colocar no mundo natural, na esfera da carne ele consegue exercer domínio sobre nós (inclusive os cristãos), os filhos de Deus só podem exercer domínio sobre as trevas se eles estiverem em Cristo exercendo a autoridade sobre os demônios. Este é o único jeito dos cristãos triunfarem, é através da posição que Cristo nos deu.
Que possamos fazer bom uso dela!

4 - PRINCÍPIO DE AUTORIDADE ESPIRITUAL FUNCIONA COMO O NATURAL
"Pois também eu sou homem sob autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; e digo a este:
Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu criado: Faze isto, e ele o faz.” Mateus 8: 9.
Como as coisas são no mundo natural é um espelho no espiritual (conforme Jo 3:12; I Co 15: 38). Uma das afirmações mais fortes de Cristo sobre a fé humana está baseada nesta observação.

É a história de um centurião do exército romano que tinha entendido o princípio de autoridade espiritual.
Este homem compreendeu que ele estava sujeito e podia sujeitar alguns, e como ele se sujeitou a Cristo ele podia sujeitar a enfermidade. Cristo afirmou que nem em Israel havia encontrado fé como essa, uma fé vigorosa sabe muito bem utilizar a unção que Deus nos outorgou pela autoridade por ele delegada.
Este é talvez o único princípio que aumenta a nossa posição de autoridade espiritual.

A Bíblia manda nos sujeitarmos a Deus e resistir ao diabo (Tiago 4: 7).
Quanto mais nos sujeitamos a Deus mais poder temos para sujeitar aos demônios. Isso faz toda a diferença!
Paulo tinha domínio sobre os demônios (At 19: 13), mas os 7 filhos de um sumo sacerdote não possuíam este domínio.

Poderíamos nos perguntar por quê? Ambos utilizavam as mesmas palavras (“em nome de Jesus eu te ordeno, saia”), mas somente as palavras de Paulo eram obedecidas no mundo espiritual. Podemos responder que certamente em Paulo havia unção e poder para expelir demônios porque ele estava sujeito a Deus, e, em Cristo, ele podia ordenar ao mal que se retirasse.

Já os judeus, agindo no mundo natural nada puderam fazer contra os demônios senão correrem para salvarem as suas vidas. Eis uma grande diferença.

5 - A AUTORIDADE É MINISTRAÇÃO DE CIMA PARA BAIXO
“E todos se admiraram, a ponto de perguntarem entre si, dizendo: Que é isto? Que nova doutrina é esta? Pois com autoridade ordena aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem!” Marcos 1: 27.
O governo de Deus vem sempre através de um confronto com o reino das trevas. Sabendo que estamos acima do reino do mal podemos ministrar aos demônios de cima para baixo.

Um ponto interessante a tocar nesse assunto é o seguinte. Todos os cristãos na terra possuem um inimigo, quer eles creiam ou não. Satanás está fazendo o possível para anular o poder da Igreja para gerar novas vidas em Cristo, ele vai atacar a finança, a saúde e os relacionamentos de qualquer filho de Deus.
Devemos entender que a nossa luta não é contra “carne ou sangue” (Efésios 6: 12), nossa luta não é contra o homem, mas contra demônios, contra as forças espirituais invisíveis do mal.

Se não utilizarmos a autoridade espiritual que Deus nos outorgou seremos duramente castigados por Satanás, por isso muitos cristãos possuem uma vida tão sofrível, ainda não aprenderam a exercer domínio sobre o mal.

6 - QUEM TEM AUTORIDADE ESPIRITUAL SABE O QUE TÁ DIZENDO
“Porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas.”Mateus 7: 29.
Escribas viviam “filosofando” sobre a palavra de Deus, para eles nada era certo. Jesus tinha um diferencial, ele conhecia a palavra de Deus profundamente, e não ensinava filosofia, ensinava o sim sim e não não de Deus (Mt 5: 37).

Quem possui autoridade espiritual delegada por Deus não fica no “sabe, talvez, acho que é assim...” quem possui a autoridade espiritual delegada por Cristo é firme em suas convicções, é uma pessoa intrépida, que enfrenta qualquer problema, é alguém que não muda a confissão ante a adversidade, é alguém que fala de algo que vive e não apenas de algo que pensa.
Um princípio que fazia o ministério de Cristo tão frutífero era uma confissão ajustada com uma prática, ou seja, Jesus tinha não só uma doutrina, ele vivia o que ele falava, isso tornava as suas palavras poderosas e cheias de vida.

7 - O EXERCÍCIO DA AUTORIDADE ESPIRITUAL QUE CRISTO NOS OUTORGOU FAZ TODA A DIFERENÇA EM NOSSA VIDA
Cristo afirmou:
“Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;” Mateus 16: 18.
Jesus disse que “sobre esta pedra” (a confissão de Pedro que Jesus era o Senhor) a Igreja seria edificada e as portas do inferno não prevaleceriam.

A idéia que temos é que o único meio da Igreja ser “edificada” é através do exercício da autoridade que Deus nos concedeu.
Outro ponto interessante a considerar sobre este verso é que Jesus trata os infernos (portas) como algo estático (parado), mas trata a Igreja, os seus filhos, como algo dinâmico, como uma força em movimento que adentra no mundo espiritual e prevalece contra as portas, saqueando as almas do inferno. Por causa desta afirmação nos obrigamos a discordar de alguns que ensinam que os cristãos não devem ser ativos na luta contra principados e potestades.

A resistência que o cristão exerce sobre Satanás nunca deve ser passiva, deve ser uma resistência ativa, como se fosse num jogo de futebol americano, o cristão deve “empurrar” as portas (forças demoníacas) para trás e prevalecer pela graça de Deus nele.

Conclusão
Todas as igrejas que tem prosperado neste século tem sido congregações que combatem as trevas, e não aquelas que ficam somente levando golpes no escudo da fé.

Quem vence nestes dias são as pessoas que usam do escudo para defender e atacar.

Que Deus nos abra os olhos sobre este assunto, que possamos exercer tudo o que Cristo conquistou por nós na cruz e que possamos ser filhos que dão fruto para o Pai. Essa é a minha sincera orar
A serviço do rei Pr João Nunes e Juçara Graczcki


Nenhum comentário:

Postar um comentário