quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O Cristão Como Sal e Luz do Mundo!

TEXTO  BASE MT 5: 13 - 16

INTRODUÇÃO


TEMA: O Cristão Como Sal e Luz do Mundo!



13° e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. [Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém.]

14° Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós;

15° se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas.

16ª “Quando jejuardes, não vos mostreis contristrados como os hipócritas; porque eles desfiguram os seus rostos, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade vos digo que já receberam a sua
recompensa.”



“Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens.

Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” Mateus 5:13-16.

Neste estudo visamos avaliar a influência do cristão no mundo. A nossa responsa-bilidade de conduzir o povo à salvação e conservá-lo na fé.
O sal nos tempos bíblicos era valioso, servia como moeda, devido a sua preciosi-dade e importância.


I. CARACTERÍSTICAS DO SAL:


1 – Ser preservador


O sal conserva e preserva o alimento. Daí ser relacionado com a pureza porque Deus quer que nós não sejamos tocados pelo Maligno ou o Mundo.

2 – O Sal produz sede
Quando comemos alguma coisa salgada logo vem a sede.

O cristão como sal cria sede espiritual nos outros, porque deve existir diferença entre aqueles que invocam o nome de Jesus e daqueles que desprezam. Deus diz que faz distinção do povo dele (Êxodo 8: 23; Malaquias 3: 18).

O Senhor zela pelos seus, portanto, o agir de Deus na vida dos seus filhos traz sede aos que vêem.

Eu me converti porque quem me evangelizou tinha uma vida abençoada e bonita e eu queria aquele Deus. 

Alguns exemplos de como homens de Deus produziram sede (Atos 2: 37).

Depois da pregação os discípulos voluntariamente disseram “que faremos...”, só fala-ram isso porque viram na vida de Pedro uma graça que os queria torná-los iguais ao pregador (Atos 16: 30; Atos 24: 26; Mateus 4: 25).


3 – O Sal ajuda a flutuar

Quanto mais salgada for a água, maior flutuação proporcionará aos corpos.

No Mar Morto, a massa de água mais salgada do mundo, se ela prestasse para o banho, nenhum banhista ali pereceria afogado, pois, que de tão salgada, a água devolve a superfície o que nela é lançado, de tão densa ela diminui o peso específico dos corpos fazendo-os flutuar.

Um corpo afunda mais rápido na água doce do que na água salgada.

O sal onde ele estiver causa DIFERENÇA, assim como nós percebemos quando a água é salgada as pessoas quando fala-rem conosco devem perceber a diferença de linguajar, quando entrarem na nossa casa devem sentir um ar celestial, da mesma forma na igreja, pois aqui se reúnem pessoas diferentes, e esta diferença deve ser percebida, mas isso deve ser ao natural, porque o sal quando age tem-perando ou conservando ele age INVISIVELMENTE, mas a sua ação é claramente SENTIDA.
Quando a gente fala de alguém muitas vezes dizemos que esta pessoa tem graça, ela tem algo a mais.


4 – O Sal também era aplicado nos sacrifícios típicos do Antigo Testamento (Levítico 2:13b; Romanos 12:1)

5 - O Sal insípido


Sem gosto, sem sabor e perde a função.

Coisas que levam o sal a ser insípido (Marcos 9:50).

a) Pouco vento

O sal para atingir o sabor ideal necessita de bastante ventania na época de sua formação. Espiritualmente o cristão sem o vento do Espírito da vida e do poder não subsistirá (Gênesis 2: 7; Ezequiel 37: 9, 10, 14; João 20: 22; Atos 2: 2).

Sem buscarmos o Espírito de Deus não teremos sucesso algum em nossas vidas tão pouco conseguiremos fazer a obra de Deus, pois é o Espírito de Deus quem faz através de nós.

O Espírito é o nosso combustível que nos impulsiona e nos dá força, energia, in-trepidez para seguir adiante.

O Espírito é que dá poder para viver uma vida de santidade, sem o Espírito Santo o homem é incapaz de viver uma vida vitoriosa.

b) Pouca luz

A luz é fundamental para a formação de um bom sal.

O efeito químico da luz so-bre a água em tratamento é fundamental na transformação desta em sal (Salmos 27:1; Salmos 43: 3; Isaías 2: 5; Tiago 1: 17 “Pai das Luzes”; Salmos 118: 27) o mundo jaz em trevas e a luz de Deus que brilha e indica o caminho, precisamos desta luz que nos aponta o caminho da santi-dade, da vida vitoriosa, assim como sem fé é impossível agradar a Deus sem luz divina o pe-cador não conseguirá achegar-se ao Senhor, pois o mundo está em trevas.

c) Pouco calor

Sem calor adequado o sal em formação perderá em qualidade e se arruinará. 

Também uma igreja espiritualmente fria, torna-se inerte, sem sabor, inativa, decadente e in-capaz de ser o sal da terra. 

Em lugar dela influenciar o mundo o mundo é que a irá influenciar.

O sal que se torna insípido, perde três coisas principais conforme Mateus 5: 13 perde seu sabor, seu valor e seu lugar Jesus falou que somos a luz do mundo, significa em primeiro lugar que o mundo está em trevas e como ser a luz do mundo e viver segundo o modo de vida e as práticas do mundo, por isso que incomodamos quando vivemos de modo diferenciado, pois as pessoas não querem viver em santidade.


II. O CRISTÃO COMO LUZ:

CARACTERÍSTICAS DA LUZ

1 – A luz não tem preconceito

Ela brilha sobre um criminoso como sobre uma criança inocente. Assim devemos ser nós luz do Evangelho. Devemos levar a todos povos, raças, línguas, idade, sexo e cor.

2 – A luz tem que ser alimentada (v. 15, 16)

A luz que iluminava as casas nos tempos de Jesus era de lamparina, alimentada através de um pavio mergulhado em azeite.

O tipo de material da lâmpada variava, mas o combustível era um só - o Azeite.

A lâmpada tendo o azeite é este que arde ao luzir. 

Caso contrário é o pavio que se queima e danifica a lâmpada.

O mesmo ocorre com o cristão, nós dependemos do Espírito Santo para difundir a luz de Cristo, a luz do Evangelho; se a pessoa quiser brilhar espiritualmente, isto logo acabará, porque ele se queimará e um pavio seco queima em pouco tempo.

João 5: 35 Jesus disse que João era a candeia que ardia. 

Isto revela que João era um homem que tinha fogo, poder, fervor e luz da parte de Deus.

A sarça de Moisés é o tipo de fogo que só queima impurezas, mas conserva o que é bom.

Como no caso dos três companheiros de Daniel lançados na fornalha aquecida sete vezes, o fogo apenas queimou as cordas que os atavam, pois foram lançados amarrados (Da-niel 3: 21, 23, 24) e depois aparecem desatados.

3 - A Luz não se mistura

Mesmo que ela ilumine um monte de lixo, ou cenas repugnantes, ela prossegue incontaminada na sua missão de iluminar. Assim deve ser o cristão.

Viver neste mundo tene-broso a difundir a Luz de Cristo, e não se contaminar com o pecado e as obras infrutuosas das trevas (Lucas 11: 33-36 e colocada para todo mundo ver, a nossa vida deve ser transparente. 

(Paulo dizia “sede meus imitadores como sou de Cristo” I Coríntios 11:1)

4 - A Luz é progressiva

Primeiro veio a luz da lenha, depois luz a óleo, depois a luz a gás, luz elétrica e a luz continua a progredir a medida que a tecnologia avança e a ciência se multiplica 

(Provérbios 4:18).
Assim devemos ser, crescer na comunhão com a Luz que é Cristo mais e mais até sermos perfeitos. 

Qual é a intensidade da nossa luz perante o mundo? 

Luz de pleno sol, luz de dia nublado ou a luz igual a de antes do anoitecer, fraca?

5 - A Luz é sanadora

Ela brilha intensamente e sem impedimento, a luz enxuga os brejos, drena a umidade, apressa a cicatrização de ferimentos e é germicida.

O ambiente escuro propicia a proliferação de males que afetam a saúde de várias maneiras.

A palavra fala de peste que ande na escuridão (Salmos 91: 6).

O povo de Deus é responsável pela luz que ainda irradia e conserva o mundo e o povo de Deus abençoa este mundo de várias maneiras, não só espiritual, mas também materialmente. Quando o povo de Deus daqui sair este mundo despenca.

E se um crente contribuir para piorar as coisas aqui, ele falhou como luz do mundo.

6 - A Luz é misteriosa e sutil

Ninguém pega a luz assim como se paga o sal.

A luz se vê mas não se pega. 

Dos 3 raios que compõem a luz comum, apenas um deles é visível o lumífero, o raio aquecedor e o raio transmissor, são invisíveis, mas reais. 

Sem qualquer um deles, não existe luz comum.

Essa triplicidade da luz aponta para o Deus triúno – seu criador.

7 - A Luz normal é mansa e delicada

Ela tanto brilha sobre um rochedo sólido e inabalável, como sobre uma teia de aranha, tênue e frágil, sem danificá-la.

Assim deve ser versátil e sábio crente ao levar a luz de Cristo, do Evangelho da salvação do conhecimento de Deus ao próximo (maleável, se adaptar e falar independente do ambiente e situação).

CONCLUSÃO

Deus relacionou a todos nós ao sal e luz para nos conservar e nos dar direção ao mundo, assim Deus quis assim, devemos agir com sabedoria, demonstrando naturalmente o poder de Deus, a santidade de Deus, o amor de Deus. 

Para nós é impossível viver assim, mas com a ação do Espírito Santo tudo é possível, pois o que é impossível para nós é possível a Deus.

Nós devemos ser diferentes ou somos hipócritas.

Meio termo no Reino de Deus não existe. 

Quem é morno, nem frio ou quente está a ponto de ser vomitado da boca de Cristo. Deus espera muito de nós, a sua Igreja. Tem que haver diferença entre nós e os do mundo. Só isso vai glorificar a Jesus.

“Então vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que o não serve.” Malaquias 3:18.

Que Deus nos abençoe e nos torne como sal e luzeiros verdadeiros no meio desta geração incrédula e perversa. Amém!

A serviço do Rei Pr João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário