sexta-feira, 5 de setembro de 2014

quatro homens e um destino

TEXTO BASE  GENESIS 12: 1 - 9

INTRODUÇÃO 


TEMA: QUATRO HOMENS UM DESTINO


1.Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.

2.E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.

3.E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.

4. Assim partiu Abrão como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos quando saiu de Harã.

5.E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e todos os bens que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e chegaram à terra de Canaã.

6.E passou Abrão por aquela terra até ao lugar de Siquém, até ao carvalho de Moré; e estavam então os cananeus na terra.

7. E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera.

8. E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor.

9.Depois caminhou Abrão dali, seguindo ainda para o lado do sul.

Abraão: Deus quis criar um povo que teria um relacionamento especial com ele, de modo que todas as outras nações pu­dessem ver como a confiança dele em Deus lhe dava integridade.
Deus chamou Abraão, prometendo que a descendência dele se tornaria uma grande nação.

Por meio dos israeli­tas, todos os povos veriam os propó­sitos e o amor de Deus. Abraão dei­xou Ur, no rio Eufrates, e finalmente chegou a Canaã (Gn 12.1-9), a Ter­ra Prometida, e ao Egito (Gn 12.10-20).

Ele levou consigo a sua esposa. Sara, e o seu sobrinho, Ló. A esposa de Abraão foi um ótimo exemplo de fé e devoção.

Isaque: Abraão teve um filho, Ismael, com a serva Hagar. Mas na velhice, Sara, a esposa de Abraão, deu à luz um fi­lho longamente esperado, Isaque, permitindo assim o cumprimento da promessa de Deus de fazer uma grande nação dos descendentes de Abraão(Gn 18.1-1 5; 21.1-7).
Jacó: Isaque se casou com Rebeca, e teve fi­lhos gêmeos, Esaú e Jacó. Jacó. o filho mais novo, ganhou a herança enga­nando o seu pai (Gn 27.1-40).

Ele fu­giu para a Mesopotâmia para escapar da vingança do seu irmão, e lá se casou com as filhas do seu tio Labão, Lia e Raquel (Gn27.41-28.5;29.15-30).
Jacó teve doze filhos; seu favo­rito, José, foi vendido como escravo pelos irmãos ciumentos.

Depois de ser injustamente preso no Egito, José prosperou até se tornar o ministro principal do Faraó, e levou o restante da família para o Egito quando veio a fome (Gn 37.1-36; 39.1-47.31).

O livro de Gênesis dedica mais de setenta por cento do seu conteúdo para nos dar uma descrição da vida de quatro homens: Abraão, Isaque, Jacó e José.

Esses patriarcas tiveram o mesmo destino: foram amados por Deus, salvos por sua graça e usados em sua obra. Queremos destacar alguns pontos:

I..Abraão, um homem chamado, provado e usado com poder: 


Abraão foi tirado de uma cidade idólatra e chamado por Deus para ser o pai da fé e o genitor de uma grande nação.
Ele andou com Deus não pelas estradas atapetadas das facilidades, mas pelos caminhos, muitas vezes, íngremes da obediência. Não foi um homem perfeito, pois algumas vezes Prevaricou e sofreu as conseqüências de ter-se desviado da rota.

Porém, sempre se voltou para Deus e por ele foi restaurado, provado e usado poderosamente.
Abraão foi desafiado a crer no Deus que vivifica os mortos, fortaleceu-se pela fé e esperou contra a esperança e veio a tornar-se o pai de todos os que crêem.

Quando passou pela mais amarga de todas as provas, entregar seu próprio filho, obedeceu sem questionar, crendo que Deus era poderoso para ressuscitar o seu filho. Deus provou Abraão, poupou Isaque e revelou ao mundo através desse patriarca o maior de todos os sacrifícios, a entrega de Jesus na cruz para morrer pelos nossos pecados.

II. Isaque, um homem manso que viu Deus abençoá-lo no meio da crise:
Isaque foi um jovem crente, que se casou dentro da vontade de Deus, orou por sua mulher vinte anos e foi pai de dois filhos gêmeos. Assim como seu pai, teve também suas fraquezas na área familiar, sofrendo os amargos resultados dessas decisões erradas.

Porém, a principal marca de Isaque foi sua mansidão e sua disposição de confiar em Deus.
Quando todos estavam olhando para a crise, ele semeou no deserto e prosperou. Quando, por inveja, os inimigos o expulsaram da terra, ele saiu sem brigar pelos seus direitos.
Quando, os opositores entupiram os poços que ele abriu no deserto, ele não brigou; ao contrário, foi adiante cavando novos poços sob a bênção de Deus. Porque entregou sua causa ao reto juiz, o próprio Deus reconciliou com ele seus inimigos.

III. Jacó, um homem que custou a se render a Deus:
Jacó foi escolhido por Deus desde o ventre. Porém, tornou-se adulto sem ter uma experiência real de salvação.
Influenciado pela mãe, tomou seus destinos em sua própria mãe, descrendo do plano divino.
Mentiu para o pai, traiu o irmão e precisou fugir de casa para poupar sua própria vida. Nessa fuga, Deus se revelou a ele como o Deus de seus pais. Jacó tinha promessas, mas não conversão.
Vinte anos se passaram e o dia do seu encontro com Deus chegou no vau de Jaboque. Ali Deus lutou com ele, quebrou sua resistência, transformou sua vida e sua alma foi salva

IV. José, um homem que foi uma bênção para a família e para o mundo:
José foi um ramo frutífero junto à fonte, um ramo que estendeu seus ramos para além dos muros.
Ele foi fiel ao seu pai, ao seu patrão e a Deus. Foi fiel na adversidade e na prosperidade.
Preferiu ir para a cadeia a ficar prisioneiro do pecado. Preferiu perdoar e abençoar aos que lhe fizeram mal a ficar remoendo mágoa no coração.

Porque ele honrou a Deus, o Senhor o tirou da prisão e o levou para o trono.
Alimentado pelos seus sonhos e fortalecido pelo poder de Deus, foi bênção para sua família e para o mundo.
A serviço do rei, Pr. João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário