terça-feira, 14 de julho de 2015

um cristão pode se tatuar?

TEXTO BASE 1 TM 4: 1 - 2

INTRODUÇÃO

TEMA: UM CRISTÃO PODE SE TATUAR?


1. MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;

2. Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;

Recentemente tivemos a oportunidade de ler na grande rede um texto pelo qual um se dizente cristão defende o uso da tatuagem por quem já nasceu de novo. 

Não estão na discussão aqueles e aquelas que, ao se converterem a Jesus Cristo, já possuíam uma. Mas que não façam outra.

Nada temos contra o autor do texto, todavia tudo temos contra o ponto defendido por ele, apenas pela razão de ser extra e antibíblico – sinal claro do que falaram Paulo e Pedro (1 Tm 4.1, 2; 2 Tm 3.1- 9; 2 Pe 2.1- 3). 

Esse artigo visa clarificar o assunto a todos, desde que queiramos agradar a Deus (ler Pv 12.1; 13.1). 



Tivemos, então, a ideia de mostrar à luz da Bíblia que um verdadeiro cristão não precisa desse tipo de invencionice (Jr 6.16), embora não poucos estejam a se meter com valores mundanos e profanos (Rm 12.1, 2; 1 Jo 2.14 - 17).

Quando lemos o tal texto, verificamos ser ele um pouco tendencioso. 

De modo sintético, notamos que seu autor, apesar de dizer que se fundamentara na Bíblia, ele na verdade se apoiara basicamente na ideia de a tatuagem não ter uma origem recente – como alguns pensam –, mas que ela vem desde os primórdios. 

Se pararmos para pensar, até aí, isso diz pouco, visto que o Santo Evangelho, como devemos saber, não é cultural. 
Não está preso a culturas, quaisquer que sejam. Tampouco está preso à História.

Para sermos francos, o Evangelho está acima da cultura de qualquer povo, de qualquer região, de qualquer período. 

Além disso, ele modifica a História; não se coaduna passivamente com ela. (Não estamos dizendo que ele é alheio à cultura.)

Por essa razão, É INVÁLIDO se apoiar no que o texto do rapaz de fato se apoiou para no final formular um raciocínio lógico, dizendo “CREIO que o Espírito Santo exulta de alegria em ver uma pessoa tatuar ‘Jesus, eu te amo’ para todos vêem”(sic) (grifo nosso) e “Ter tatuagem ou não interfere em sua vida cristã, seus atos sim, a disposição do seu coração sim!”(sic). 

(Confessamos que essa última frase precisa de uma séria revisão, pois está ininteligível para o que se tentou defender.)

Dando continuidade, em determinada parte de seu texto, o autor afirma “Todos têm direito de se expressar, seja da forma como lhe aprouver. 

Alguns preferem músicas, outros artes, desenhos, esportes, outros tatuagem!”.

Estará certo o raciocínio dele? Reparemos que é muito sério o que ele afirmou. 

Disse que NOSSA livre expressão deve se dar CONFORME nos aprouver, isto é, segundo NOSSA preferência. Nada mais biblicamente absurdo! Mas o sedizente cristão fala ter-se apoiado na Bíblia.

Daí, nós o questionamos: não é mais a vontade e gosto de Deus que prevalecem? Eis a causa de Is 55. 8,9. 

Então, é de acordo com o que NOS der prazer, com o que NOS contentar, agradar? Não é mais conforme o que der prazer ao Senhor? 

Não é mais Sua vontade (Jo 4. 34; 6. 38) que se sobrepõe?

Queremos dizer que, até agora, não recebemos respostas...

Continuamos as indagações: não será esse um pensamento biblicamente equivocado? 

Por que Davi foi chamado de “’o’ suave em salmos de Israel” (2 Sm 23. 1)? 

Não teria sido justamente porque ele não era amante de si mesmo, não agradava a si mesmo, mas ao Deus Todo-Poderoso? 

“Suave” quer dizer “agradável”; e Davi não era apenas um, mas O suave. 

Perguntamos ainda se ele percebia que seu pensamento destoava da mensagem fiel da Bíblia e sugerimos que revisse aquilo; para nosso bem.

Quando esse blogueiro disse que crê que Deus se alegra por uma tatuagem, é urgente que ele entenda que O QUE DEVE PREVALECER não é O PENSAMENTO DELE, a sua crença, mas a Bíblia. Ela, sim, está acima do que ele crê, pensa, acha. 

Aliás, ela está acima até do nome de Deus (Sl 138. 2)! 

Por que não sobrepujaria as ideias do defensor da tatuagem?

Dessa forma, dissemos, não é por ele crer nisso que está certo. 

SÓ ESTÁ CERTO O QUE A BÍBLIA DIZ QUE ESTÁ CERTO. 

Graças a Deus! Glória a Jesus Cristo!!! O que a Bíblia ensina?

Ensina que TUDO de (ou para) Deus é (ou deve ser) exclusivo! 

Assim, exclusivamente Deus é onipotente, onisciente e onipresente; assim, exclusivamente Jesus pode salvar-nos e libertar-nos; 

Ele é a única (exclusiva) forma pela qual somos salvos: 

O ÚNICO caminho, At 4. 12. 

Além disso, exclusivo também deve ser nosso louvor a Ele, a ajuda ao próximo, nossa adoração. 

Isso é bem explícito pela palavra SÓ em Mt 4.10 ARA.

Será que notamos que as coisas que vêm de Deus e que são para Ele têm a ver com EXCLUSIVADE?

Não é assim a tatuagem. Não é exclusiva. Por isso não pode ser biblicamente aceita. 

Ainda dissemos que o irmão mesmo provou por A mais B que “Em cada cultura, a tatuagem toma um significado diferente. 

Em algumas era sinal de coragem, em outras, reverência aos mortos, adoração a deuses, misticismo, distinção entre criminosos e corretos, etc”. Logo, ela não é exclusiva.

Abandonemos, pois, a tatuagem com desculpas esfarrapadas, dizendo que deixar de aceitá-la é sinal de preconceito, de tradição, disso ou daquilo. 

São meras desculpas. Fazemos nossas as palavras do pastor Ciro Zibordi e sugerimos a leitura de seu texto: Infelizmente, hoje em dia, tudo é preconceito. 

É uma grande desculpa, hoje em dia, para se tolerar o que não agrada a Deus! 

Ser contra o erro, o pecado, a imoralidade, ao que causa danos à saúde e à vida espiritual é ser preconceituoso? (ZIBORDI, Ciro Sanches. 

Música pesada na casa de Deus? 

Disponível em http://cirozibordi.blogspot.com/2008/06/debate-o-heavy-metal-apropriado-para-se.html 


Ela não é bíblica; e ponto!
Alguns que opinaram o texto circulado na grande rede concordaram com a postagem. 

Dissemos que esses precisam também rever seus conceitos, a fim de renunciarem a si mesmos, tomarem a cada dia sua cruz e seguirem o Mestre!

Quando lhe escrevemos, o blogueiro chegou a comparar a tatuagem a certos ritmos musicais que ele, enganado, acha serem certos. Demos prosseguimento à nossa defesa.

Pode-se, sim, até pensar que se tatuar é tão cultural quanto apreciar rock, samba, MPB. Mas e daí? Em que isso é relevante para a discussão? 

O Evangelho continuar inalterável! Da mesma forma que não devemos nos apropriar do rock, samba, MPB para o louvor a Deus em Sua casa, não devemos nos tatuar.

 Isso por quê? Por uma única razão: o que fazemos para Deus realizemos com exclusividade, SE QUISERMOS QUE DEUS RECEBA NOSSA OFERTA COMO CHEIRO SUAVE! Lembremo-nos de que Ele não tem o culpado por inocente (Ex 34. 7; Nm 14.18; Na 1. 3)!

Asseveramos que a Bíblia condena, sim, a tatuagem da forma como ele acha ou "crê" que Deus se alegra ao ver alguém usando uma. 
Basta entender que tatuagens não são exclusivas para “louvor” a Deus, mas existem para diversas finalidades, sobretudo por vaidade e estética nesses últimos dias da Igreja na terra. 

O fato de tatuagem não ser exclusiva para o SENHOR já é uma condenação, uma reprovação, pois está ligada ao que há no mundo (1 Jo 2.15) e à não-exclusividade, ao contrário do que Deus exige dos Seus servos. Temos que renunciar aos nossos gostos para seguir o Mestre (Mt 16. 24)! 

Glória a Deus!

Não é preciso haver um versículo para a tatuagem estar condenada. Basta saber que ela não Lhe é exclusiva. 

E o que oferecemos ao SENHOR deve ser unicamente para Ele!

Porém, podemos citar algumas passagens que reforçam isso. 

Paulo disse em 1 Co 6.12 e 10. 23: 

Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma; Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam. 

Além disso, o mesmo apóstolo norteia em Fp 4. 8: 

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.

Entendemos que, a partir disso, algumas perguntas devem ser feitas acerca do uso de tatuagem (com ou sem mensagens "cristãs"): 

é conveniente?, é edificante?, é pura?, possui virtude? é de boa fama?, é amável?, traz louvor a Deus? etc.

Antes de continuar, se alguma resposta a essas questões (baseadas nos versículos por último citados) for não, ISSO JÁ SERÁ MAIS QUE SUFICIENTE PARA A BÍBLIA CONDENAR A TATUAGEM outra vez, isto é, além da falta de exclusividade.

Utilizemos apenas uma pergunta delas: é de boa fama? Sem dúvida, o próprio texto do autor responde a essa interrogação. 

Como a resposta é negativa, não é nem para nisso pensar, segundo a orientação bíblica (Fp 4.8 in fine), quanto mais usar uma!

Temos aqui duas proibições da Bíblia à tatuagem: não tem boa fama nem é exclusiva ao Senhor. Sem falar nas outras perguntas acima mencionadas...

Embora nas Santas Letras não haja a palavra "trindade" ou “onisciência” e “onipresença”, não podemos dizer que o Senhor não é trino, onisciente ou onipresente. 

Dessa forma, há verdades na Bíblia extraídas de seus princípios, valores e mandamentos. 

Uma delas é esta que estamos a defender: a de que a Bíblia não aprova que os verdadeiros servos do Senhor Jesus façam uso de tatuagem.

O irmão que defendia a tatuagem passou a mudar de assunto, sem falar que não respondeu biblicamente a nossos questionamentos.

LOUVOR
É a Bíblia quem diz que certos ritmos não devem ser usados para adorar a Deus. 

Precisamos ler Levítico e o comparar com Hebreus, especialmente os capítulos 3 e 23 daquele com o 13 desse. 

Se alguém quiser usar ritmos usados por aí a fora achando que está a adorar a Deus, pode fazê-lo. 

Mas que saiba que isso para Deus é nada. 

É sacrifício de tolo. Pode ser dura essa palavra, todavia é o que a Bíblia mostrar serem esses estilos musicais. 

Voltamos a dizer que AQUILO QUE OFERECEMOS A DEUS DEVE SER EXCLUSIVO. 

O rock não é, o samba não é, Mpb não é, forró não é.

Música sacra é. A maior parte do que vemos aqui, ali e acolá não.
O defensor da tatuagem e agora de qualquer ritmo como louvor a Deus tentou nos encostar na parede, perguntando sobre um tal de batidinho na AD, denominação a que pertenço. 

Respondemos que não sabemos de que “batidinho” o irmão fala. Somos da AD, mas não o conhecemos. 

Mesmo que haja, se estiver fora do padrão bíblico, pode ter certeza que, quando temos oportunidade para combater erros (como o estilo musical dos vídeos; nada mais absurdo), não nos esquivamos disso.

Aliás, é preciso lembrarmo-nos de que Jesus disse que muitos viriam no nome dEle, que enganariam a muitos, que muitos O chamariam de Senhor, mas que Ele não os conheceria (Mt 24). 
Muitos são chamados; porém poucos escolhidos. 

Além disso, sabemos que adotar esses estilos musicais, seja na Igreja, seja na “evangelização” (não sabemos que evangelização é essa que é mister se fazer igual ao perdido para alcançá-lo; 

Os que pensam ser assim que se evangeliza devem ter lido na Bíblia que Jesus se tornou em fariseu para falar a Nicodemos (Jo 3); 

Ou em samaritano à mulher samaritana (Jo 4); ou em publicano a Zaqueu (Lc 19); 

Ou em doutor da lei ao doutor da lei (Lc 10); 

Em adúltero à mulher adúltera (Jo 8); para esses, se Jesus hoje estivesse na forma de homem, seria pagodeiro, rockeiro, cantor sertanejo, rapper etc 

Para ganhar seus grupos) não é o padrão bíblico, 

Posto que não se entra num prostíbulo para evangelizar prostitutas, ou não se monta carro alegórico para se ganhar folião em carnaval.

Amados irmãos, não caiamos na apostasia desses últimos dias da Igreja, achando que tudo é de Deus só por causa da letra, do objetivo. 

As coisas para Deus são SÓ para Ele. É urgente pedirmos mais discernimento.

Reconhecemos que o Espírito Santo age como Ele quer e não foge ao modo bíblico, que, no que diz respeito a nossas ofertas ao Senhor, ensina Sua exigência de exclusividade.

A exclusividade de nossa oferta a Deus é bíblica e irrefutável. 

Façamos uma bem rápida inserção no Velho Testamento: 

Deus não aceitava animal defeituoso, manchado como oferta 

pacífica (Lv 3.1, 6), a qual ainda permanece (Hb 13.15, 16). 
Por que Ele teria de aceitar (conforme o autor e os rapazes de uma banda “cristã” de Death Metal (Metal da morte, tradução nossa) acham) como oferta de gratidão um louvor, cujo ritmo possua manchas, tenha defeitos, ou seja, de novo, não seja exclusivo para Ele?!

Precisamos ser bem ingênuos para crer nisso. 

Como os próprios integrantes da banda disseram, não está o estilo musical tocado por eles ligado ao satanismo? 

Isso é mancha! Defeito! Deus não recebe. 

Pode ser a letra mais bíblica que for, Deus não recebe! 

A não ser que o Eterno Deus contrarie Sua Palavra.

Aconselhamos que o querido não tentasse provar o contrário. 

Que apenas aceitasse a Bíblia, pois ela é fiel!

A exclusividade é tão séria que certas conversas que podemos vir a ter devem ser por nós evitadas, se quisermos agradar ao Pai. 

Leia agora 1Co 15. 33 e depois 1 Co 10. 31.

Tudo que fazemos deve ser para a glória de Deus, para Seu louvor! Glória a Deus! 

Bendito seja o nome do Senhor Jesus! Não é a nossa vontade que deve prevalecer, mas a dEle! 

Isso é exclusividade, que serve para o louvor e para o corpo, que não pode aceitar tatuagem (senão no caso de quem se converteu já com alguma(s)), 

Afinal diz Paulo que nossa adoração deve ser também por meio do corpo, no sentido de não lhe causarmos defeito (1 Co 6. 20).

O irmão veio então com uma comparação no mínimo esquisita, perguntando: 

Já que Deus quer exclusividade, o papel que usamos para as coisas, inclusive para a impressão da Bíblia, é pecaminoso. 

Procuramos lhe responder: de onde você tirou a ideia de que o papel é pecaminoso? 

A Bíblia diz que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3. 23). 

Ela diz TODOS, e não TUDO. Todos é um pronome indefinido, que nesse caso engloba a totalidade dos seres humanos. 

Tudo é também dessa classe gramatical, mas não é o que a Bíblia diz. Se você vier com a ideia de que papel vem da árvore, essa pecou e, por isso, o papel, vamos ter que pedir para você meditar em Sl 150.6.

Uma vez mais dizemos: deixemos essa ideia de que tatuagem e qualquer ritmo servem para louvor a Deus. Fiquemos com a Palavra. Ela é viva e eficaz (Hb 4. 12)! 

Vamos abrir mão do que gostamos para ficar com o que o Senhor gosta em nome de Jesus!

Daí tivemos que dizer ao irmão que o que é escrito sem esforço é lido sem prazer e que escrevemos para comunicar, posto que ele nos pediu para escrever menos.

Dissemos: o irmão sabe ler mesmo? 

Vemos que o amado extrai da leitura apenas o que lhe apraz, como os comentários elogiosos que nos precederam. Atitude triste! 

(Pela misericórdia de Deus, somos professores de português e podemos lhe dar algumas orientações para melhorar sua leitura.)

Um ótimo exemplo de música exclusiva a Deus é  a música sacra.

Algumas perguntas para refletirmos:

O rock é de boa fama?
Como sabemos, Davi, tocada sua harpa, expulsava demônio. 

Será que o Death Metal é capaz de expulsar demônio? 

Ou está a os atrair mais?

O que é cântico novo?

Quais as características da música sacra?

Se na igreja for permitido tocar qualquer ritmo musical, onde estão os ritmos profanos?

Você sabe a diferença entre sacro e profano?

De que modo afirmar que existem ritmos profanos se todos (ou como se acha certo: 

O rock, o heavy metal, o samba, a MPB; e talvez o rap, o raggae, 

o soul, o forró, o folk, o funk, o blues, o electro, o lundu, o maxixe, 

o rythem blues, o jazz, o baião, o cateretê, o regtime, o bluegrass) estão destinados ao louvor?

Por que o louvor é um sacrifício?

Como deve ser realizado um sacrifício a Deus atualmente?

Respondamos biblicamente a essas perguntas. 

Por favor, fiquemos com a Bíblia, e não com certos autores que querem mais é vender e agradar ao próprio umbigo do que louvar a Deus!

Não nos enganemos achando que aberrações usadas na obra são boas! 

Procuremos aprender as origens do que oferecemos a Deus. 
Alguns ritmos se originaram no candomblé, outros para louvor ao diabo, para a lascívia, para o entretenimento. 

Entender isso não é encapetar as coias, mas é discerni-las espiritualmente. 

Assim rock é profano, funk é profano, samba é profano etc. 

Não servem de louvor a Deus. 

NÃO SERVEM! (Sugerimos a leitura do texto Hino – somente quando é para Deus).

Por fim, fomos proibidos de comentar o artigo do irmão.

Não tapemos a realidade com nosso entendimento: tatuagem e quase todos os ritmos não servem para um cristão louvar e adorar a Deus! 

Mas deixemos que a Bíblia clareie nossa mente com Suas realidades e verdades. Amém!

Adaptação: A serviço do Rei, Pr João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário