quinta-feira, 17 de setembro de 2015

TIPOS DE AMOR

TEXTO BASE LC 15: 11 - 32

INTRODUÇÃO

TEMA: TIPOS DE AMOR

A língua portuguesa é limitada para expressar os tipos de amor.

Ao mesmo tempo em que você diz ‘eu amo sorvete’, também fala que ama seu pais, mãe ou filho.
Também pode ser usada a palavra amor no sentido sexual apenas desprovido de sentimento.

Por isso recorremos a expressões da língua grega usadas na bíblia para explicar sobre o amor e alguns termos do latim para ajudar na compreensão do que é amor.

O antropólogo Alan John Lee, criou uma teoria chamada Estilos de amor.

Lee identificou tipos básicos de amor que pessoas usam em suas relações interpessoais¹.
Os tipos de amor podem ser entendidos como níveis, altitude ou períodos da vida em que a pessoa aprende a amadurecer o amor.

O amor não pode ser entendido apenas como sentimento, baseado em histórias somente platônico ou irreal.

O amor precisa ser realizado. Deve ser uma ação.

O verbo ‘amar’ pode ser experimentado verdadeiramente.

Como descobrir o verdadeiro Amor?

Vamos usar como exemplo a história do Filho pródigo em LC 15.15.1-32 que fala de um jovem que vivenciou vários tipos de amor até conhecer o amor verdadeiro:


I. Amor material
Um amor pragmático (pragma), que visualiza apenas o momento e a necessidade temporária, do agora.

O filho pródigo só pensou nos benefícios que o dinheiro lhe traria (LC 15.12).

Os seus companheiros também só usufruíram de seus recursos.

O irmão do filho pródigo teve amor material pelo que seu pai deu ao irmão (LC 15. 29,30)

O amor material é:

Interesseiro

Momentâneo

Egoísta

Durante a primeira infância é comum um tempo em que a criança se apega ao que come e a objetos como brinquedos, por exemplo.

Todos temos amor material, por algo que gostamos como uma roupa preferida ou comida que apreciamos.

Este amor é importante, mas não pode ser superestimado.


II. Amor Lúdico

O amor que é jogado como um jogo (ludos), amor brincalhão, baseado em momentos de diversão e alegria.

Os amigos do filho pródigo gostaram dele enquanto podiam se divertir e depois todos o abandonaram ficando apenas com os porcos (LC 15.16).

O amor lúdico é:

Engraçado

Espontâneo

Momentâneo

Quando criança as primeiras amizades surgem em meio a brincadeiras.

Até mesmo o apego a um animal de estimação é uma forma de carinho e distração.

Todos tivemos colegas de escola que convivemos muito bem e depois de um tempo nos esquecemos.

Você tem pessoas que gosta de jogar um esporte juntos, mas não são seus verdadeiros amigos.

O que não pode acontecer é gostar das pessoas somente quando elas nos dão alegria.


III. Amor generoso
Um amor afetuoso que se desenvolve lentamente, com base em semelhanças (storge) e no compartilhamento mútuo.

O dono da fazenda fez um favor de ajudar o rapaz deixando cuidar dos porcos (LC 15. 15).

O filho pródigo se lembrou do amor com que seu pai tratava os empregados e pediu se poderia ser tratado como um ‘servo’ ( LC 15.17-18).

O amor generoso é:

Gratificante

Compartilhável

Baseado em troca de favores

Quando a pessoa passa a dividir o espaço com colegas de estudo e trabalho, aprende a se apegar às pessoas.

É muito importante a convivência com diferentes tipos de pessoas e ambientes.

Todos devemos ter uma boa convivência com vizinhos e colegas de trabalho.

Trocar favores e ser educado com as pessoas.


IV. Amor fraternal



Um amor "espiritual", baseado na mente e nos sentimentos.

O verdadeiro amor de amigos. Pessoas que você gosta ‘de graça’, respeita as diferenças e confia em todo tempo.

É um amor consciente ou psicológico (psique) quando você se identifica com o outro.

O filho pródigo certamente tinha muitos amigos, porque seu pai lhe deu uma grande festa e todos vieram para vê-lo ( LC 15. 24).

O amor fraternal é:

Companheiro

Confiável

Respeitável

Com o tempo as verdadeiras amizades são construídas.

Cada pessoa aprende a selecionar amigos para compartilhar coisas mais íntimas do seu viver.
O amor fraternal é o verdadeiro amor de amigos.

É nos momentos difíceis que descobrimos quem são os verdadeiros amigos. Precisamos cultivar amizades.


V. Amor sexual

Um amor apaixonado fundamentado e baseado na aparência física (éros).

Com certeza o filho pródigo teve várias namoradas, mas era apenas um amor carnal enquanto tudo estava bem (LC 15.13).

O contato físico do homem com a mulher consuma sua relação tornando-se os dois “uma só carne” (Gênesis 2. 24).

O amor sexual é:

Apaixonado

Atraente

 Físico

Na adolescência, quando vem a puberdade, a pessoa descobre a atração pela pessoa do outro sexo.
Todos devem conhecer alguém para viver juntos.

 Deus viu que “não era bom” que home vivesse só (Gênesis 2.18).


VI. Amor familiar

O amor pelas pessoas da família com altruísmo, generosidade (philia).

A dedicação ao outro vem sempre antes do próprio interesse.

O filho pródigo sabia que amava sua família, mesmo que por um momento se esquecera.

Seu pai e mãe o amaram o tempo todo. O pai amava os dois filhos da mesma maneira e tentava “conciliá-lo” ( LC 15. 28).

O amor familiar é:

Emotivo

Generoso

 Perdoador

Quando a pessoa constrói uma família, aprende a valorizar o verdadeiro amor.

Durante um tempo envolvido com os amigos e conquistas materiais a pessoa se esquece da família.

Mas quando passa por momentos mais difíceis descobre a importância de ter o amor familiar.

Todos nós devemos cuidar da família com amor. Seja quem ou quantos forem da família é melhor amar e viver bem do que ficar sozinho.


VII. Amor incondicional

O amor gratuito que é capaz de se sacrificar pelo outro independente do merecimento.

O pai do filho pródigo o abraçou sujo como estava, o beijou sem receio e se alegrou sinceramente com o seu retorno.

Cuidou dele limpando-o, vestindo, alimentando e restabeleceu à sua condição de filho.

O amor incondicional é:

Altruísta

Espiritual

Sacrificial

Desinteressado

Gratuito

Eterno

Quando a pessoa conhece o amor incondicional de Deus, aprende a valorizar o amor e construir relacionamentos amorosos em todos os níveis citados de uma maneira verdadeira e profunda.

O amor ágape só pode ser conhecido através de Jesus Cristo que morreu gratuitamente se sacrificando pela salvação.

Na cruz, Deus deu a maior prova de amor de todos os tempos.

É possível aprender a Amar!


CONCLUSÃO

O filho pródigo precisou decair emocionalmente ao ponto de conviver no meio de porcos, para descobrir o verdadeiro amor incondicional. Depois disse ele certamente continuou sua vida construindo relações de amor saudáveis sustentadas em Deus.
Se os tipos de amor forem entendidos como processo, a pessoa descobre o amor à medida que tem experiências na vida.

Existe uma grande movimento de pessoas descendo esta escada.
Deixando o amor incondicional de Deus, abandonando a família, pervertendo o amor sexual, largando amizades, não convivendo bem com colegas, não aproveitando oportunidades de entretenimento conjunto e se apegando ao amor material.

Outros conseguem subir apenas alguns degraus no máximo até o amor sexual.
É preciso subir esta escada em direção ao verdadeiro amor de Deus.

O verdadeiro amor em todos os sentidos, seja material, lúdico, generoso, fraternal, sexual e familiar ou em áreas da vida só podem ser completos se a pessoa conhecer o amor incondicional de Deus.
A essência de Deus é o amor. Não existe amor sem a presença de Deus que é a coluna que sustenta o amor.

Todos os tipos de amor podem ser passageiros, mas o amor de Deus além de incondicional, é eterno e infinito.
Você tem amado em que nível ou forma?

Acima de tudo busque o amor de Deus!

Um Forte Abraço!! Nos laços do Calvário que nos une......A serviço do Rei, Pr João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário