quarta-feira, 18 de maio de 2016

O PERDÃO É A POSSIBILIDADE DA CONVIVÊNCIA!

TEXTO BASE GN 37: 4

INTRODUÇÃO 

TEMA: O PERDÃO É A POSSIBILIDADE DA CONVIVÊNCIA!

 “Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos eles, odiaram-no, e não podiam falar com ele pacificamente”.


Não existe família perfeita. 
Não temos pais perfeitos, não somos perfeitos, não nos casamos com uma pessoa perfeita nem temos filhos perfeitos. 
Temos queixas uns dos outros. 


Decepcionamos uns aos outros. 
Por isso, não há casamento saudável nem família saudável sem o exercício do perdão. 

O perdão é vital para nossa saúde emocional e sobrevivência espiritual. 

Sem perdão a família se torna uma arena de conflitos e um reduto de mágoas.


Sem perdão a família adoece. 

O perdão é a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. 

Quem não perdoa não tem paz na alma nem comunhão com Deus. 
A mágoa é um veneno que intoxica e mata. 

Guardar mágoa no coração é um gesto autodestrutivo. 

É autofagia. Quem não perdoa adoece física, emocional e espiritualmente.

1. Perdoar é reconhecer que só Deus tem o direito de julgar. (Rm 12.19) 

José disse aos seus irmãos: "Porventura eu estou no lugar de Deus?".


O que é perdão?



Há possibilidade de conviver sem perdoar?

Qual o limite do perdão? Até aonde eu devo perdoar?

Será que perdoar é esquecer o que aconteceu?

Será que perdoar é fazer de conta que não houve nada?

O perdão é uma emoção ou uma decisão?

O que aconteceria se José não perdoasse?

 A resposta para estas perguntas pode ser a resposta que você está precisando hoje.

 Philip Yancey em seu livro "Maravilhosa Graça" diz: "O perdão é a única alternativa que pode deter o ciclo do ódio, da culpa e da dor".

É por isso que a família precisa ser lugar de vida e não de morte; território de cura e não de adoecimento; palco de perdão e não de culpa. 

O perdão traz alegria onde a mágoa produziu tristeza; cura, onde a mágoa causou doença. 

Em José, vemos a trajetória de um homem que tinha tudo para se deixar destruir por um sentimento de amargura, mas ele fez a melhor escolha...

Em Gn 37. 4 - Ele era odiado pelos seus irmãos por ser o filho preferido do pai.

Em Gn 37. 24 - Movidos pelo ódio e pela inveja, os irmãos o lançaram em uma cisterna com a intenção de matá-lo.

Em Gn 37. 28 - Eles desistem de matá-lo e resolvem vendê-lo como escravo para uma caravana de israelitas.

Em Gn 39.1 - Potifiar compra José dos Ismaelitas.

Em Gn 39. 6 - Ele é promovido à Gerente, Supervisor na casa de Potifar.

Em Gn 39.7-20 - José é tentado, foge do pecado, mas é caluniado pela mulher de Potifar indo parar no cárcere pagando por uma coisa que não fez.

Em Gn 40. 9-23 - Ele interpreta o sonho do padeiro e do copeiro do rei e diz, lembra-te de mim quando voltares a ser o rei, me ajude a sair daqui (v.14) mas o copeiro se esqueceu dele (v.23).

Um Forte Abraço! Nos laços do Calvário que nos une......A serviço do Rei, PR João Nunes Machador, Porta

Nenhum comentário:

Postar um comentário