domingo, 26 de junho de 2016

OS GRANDES INIMIGOS DO CASAL!

TEXTO BASE PV 10: 19  

INTRODUÇÃO 

TEMA: OS GRANDES INIMIGOS DO CASAL 


“Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio”.


1. Infidelidade (Ex. 20: 14) 

A infidelidade é um assunto tão serio, tão delicado, que em Mt. 5: 

32 Jesus abre uma exceção para o divórcio é um motivo suficiente para acabar com um casamento. 


A menos que a parte ofendida seja capaz de fornecer perdão a parte infiel se arrependa de verdade, daquilo que Deus abomina. 

Em certos casos a separação torna-se solução legal para por fim a algo ainda mais abominável a seus olhos (o adultério). 

Do ponto de vista de Deus, a infidelidade é abominável tanto para ele como para ela. 

Portanto o casal deve ter cuidado com velhos amores não esquecidos, com elogios e assédios. 


2. Mentira (1 Jo. 2: 21) 

Parece uma coisa tão pequena e insignificante, mas quantos casamentos foram destruídos por causa de uma mentirinha a toa. 

Cuidado, tenha o tamanho que tiver, a mentira sempre vem do diabo. 

Custe o que custar fale sempre a verdade. 

A mentira se desemboca para a desconfiança. 

O apostolo Paulo diz: não mintais uns aos outros (Cl. 3: 9). 
Deixando a mentira fale cada um a verdade. 

A sinceridade é um compromisso constante na vida conjugal. 


3. Ciúmes 



Os ciúmes quando é levado ao exagero mina qualquer relacionamento e destrói o amor. 

Que não se confunda zelo com ciúmes. 

O ciúmes representa falta de confiança profunda. 

Se você se sente digno do amor, do carinho de alguém, para que viver em jogo, sempre temendo, duvidando, apreensivo, inquieto? 

Um certo ciúme espontâneo, comedido, que mais significa zelo é tolerável e natural. 

Esse sentimento dominado, tranqüilo, racional, pode ate impedir que o outro desfruta o lar e a família, ou facilite brechas e entradas indevidas. 

O ciúme doentio tem que ser combatido antes que ele se enraíze e torne-se difícil de encarar. 


4. Amargura 

Esse sentimento com o decorrer do tempo e as experiências dolorosas criam em nos uma barreira que vai atrapalhar muito a comunicação do casal, tornando o lar insuportável. 

São queixas sem fim, reclamações que nunca se acabam, coração fechado, magoas guardadas que destroem o relacionamento. 

Amigos deixem o Espírito Santo ajudar e limpar os vossos corações. 


5. Falta de tempo 

Refiro-me aquele precioso e fundamental tempo que os conjugues precisam e devem dedicar um ao outro, para conversar, brincar, namorar (Ecl. 9: 9 – Goze a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida os quais Deus te deu debaixo do sol, porque esta é a tua porção nesta vida...). 

Os casais que não gastam tempo juntos são casais que vão se superficializando, esfriando e se afastando chega um dia em que foram tantas as horas consumidas separadamente que já que não há mais dialogo possível, seus balões sumiram em mundos distantes. 


6. Perca do Espírito romântico 

O romantismo não pode faltar no casamento. 

No tempo do namoro, naquelas noites de luar, a moça romântica comentava: 

“Como está linda, a lua brilhante! 

O namorado dizia: 

Minha querida, mais que a lua, brilham os seus olhos, a tua face! 

Vê como ele foge do teu olhar”, eles se casaram e vão andando, ela se lembra, faz tanto tempo que ele não lhe diz nada, então ela diz: 

Meu marido, quem brilha mais que a lua? 

Ele responde: 

O sol mulher, é melhor você olhar por onde anda senão vai cair no buraco! 

Como é lamentável que o espírito romântico dos primeiros tempos tenham se acabado e cedido à frieza, indiferença, zelem por esse espírito. 


7. Hábitos de Discutir 

É terrível quando o casal adquire o habito de discutir. 

No muito falar, não falta transgressão, mas que modera seus lábios prudente (Pv. 10: 19). 

Falar demais não muda a outra pessoa, em vez de ficar falando, criticando, brigando, procure viver uma vida exemplar, não dando motivos para queixas e reclamações, pois quantas vezes uma palavra ásperas machuca profundamente o conjugue. 

O casal deve evitar as reprimendas em público (ridicularizando o conjugue), comentar suas falhas e relacionamento intimo com os amigos. 


8. A falta de dialogo franco entre os conjugues 

Sem dialogo tudo fica mais difícil e distorcido, cada um vai entendendo seu jeito aumentando assim a distancia entre os dois. 

A televisão continua fazendo o papel muito bem de partir o casal, de tapar-lhes a boca mesmo assentados no mesmo sofá. 

Lembrem-se dialogo não é monologo, implicação não é dialogo. 

Uma sucessão de perguntas e respostas não é dialogo e sim entrevista jornalística ( onde você foi? Com quem estava? etc.).



COMO LIDAR COM OS CONFLITOS NO CASAMENTO:

Os conflitos fazem parte do casamento e devem ser tratados em vez de serem escondidos ou ignorados. 

Seria uma utopia (ilusão) afirmamos que um casamento mesmo cristãos, não tenha momento de discórdia ou de tensão. 

Após o casamento vai acontecer uma fase de ajustamento e adaptação. 

As crises chegam por todos os lados, mas se estivermos preparados, poderemos combate-las com eficácia e ate aprendermos a lucrar com as diferenças. 

O dialogo é a chave para um relacionamento perfeito. 

Ate o próximo  fique atento!

Um Forte Abraço! Nos laços do Calvário que nos une......A serviço do Rei, PR João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário