segunda-feira, 31 de julho de 2017

DISCÍPULO FAZENDO DISCÍPULOS LIÇÃO X

TEXTO BASE I CO 15: 58

INTRODUÇÃO 

TEMA: LIÇÃO X - CONHEÇA SEUS DEVERES ESPIRITUAIS

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abun¬dantes na Obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.”





Romanos 12. 9 - O amor seja não fingi¬do. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem.

Romanos 12.10 - Amai-vos cordialmen¬te uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.

Romanos 12.11 - Não sejais vagarosos no cuidado: Sedes fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;

Romanos 12.13 - Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;

Romanos 12.14 - Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis

Desde que você se entregou a Jesus você passou a ser cuidado por sua Igreja. 

Mas agora que você já compreendeu o batismo bíblico e tomou a decisão de ser batizado, passou a ser parte integrante como membro da nova família espiri-tual, da Igreja de Jesus Cristo. 

Você já aprendeu que a Igreja de Deus é a maior, melhor e mais importante organização de toda a Terra, principalmente porque é um organismo vivo. Ser membro da Igreja de Jesus Cristo é ter elevado privilégio! 

Há muitos direitos e privilégios que o membro da Igreja pode desfrutar. 

Mas todo direito é adquirido através do cumprimento de deveres. 
Quais são os deveres que tenho como membro da Igreja?


I. O DEVER DA COMUNHÃO




A comunhão se expressa pela freqüência e assiduidade aos cultos. 
O membro ausente está fora da comunhão. 

Você nunca deve estar fora da comunhão: 

"E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações" (Atos 2. 42).

1. A participação - A participação nos cultos dá alegria e bem estar: 

"Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor" (Salmos 122.1). 

Os membros da Igreja devem sempre estar presentes nos cultos: 
"E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo" (Atos 5. 42).

2. A unanimidade - A participação deve ser acompanhada de unanimidade. Que é isso? 

A Bíblia nos explica: 

"E perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração" (Atos 2. 46). 

Sim, a Igreja deve ser unida para tomar e obedecer as decisões tomadas pelo Ministério (Atos 15. 28-31). 

A divisão e a rebeldia vem do diabo: "Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria" (I Samuel 15. 23). 

Assim, freqüentes na casa do Senhor e unânimes, todos são edificados uns com os outros: 

"Porque nenhum de vós vive para si, e nenhum morre para si" (Romanos 14. 7).

3. O aprendizado mútuo - Temos que aprender uns com os outros e corrigir-nos uns aos outros quando houver desacordos: "Sujeitai-vos uns aos outros no temor de Deus" (Efésios 5. 21). 

Deus não aceita um culto com desarmonias: 

"Mas faça-se tudo de-centemente e com ordem" (I Coríntios 14. 40


II. O DEVER DA COOPERAÇÃO

O que é cooperação? É operar juntos, trabalhar unidos. 
Na Igreja devemos cultuar juntos. 

Mas além de estarmos unidos no culto, temos que tornar nosso culto como um serviço à Deus, e prestarmos, juntos, outros serviços relacionados ao culto. 

Sempre em comunhão (Salmo 133.1).

1. A cooperação na Igreja - A Igreja é como um "edifício". 

Vejam este edifício em Efésios 2. 20,22. 

Nós somos edificados juntos, sobre o alicerce Jesus. 

A Igreja é como um corpo. Aliás, a Igreja não é apenas um corpo; ela é o próprio "Corpo de Cristo" (Ef 1. 22,23). 

Este corpo trabalha ligado e ajustado: "Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor" (Ef 4.16).

2. A comunhão da igreja - Para que haja comunhão na Igreja, o Corpo de Cristo, é nosso dever manter a unidade espiritual como membros da Igreja: 

“Assim, nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros” ( Romanos 12. 5).

3. O Corpo de Cristo, a igreja - O Corpo de Cristo jamais pode estar dividido (I Coríntios 3.1, 9). 

Temos que trabalhar na Obra de Deus para edificar o “edifício” e fazer crescer o “Corpo”. 

Mas temos que operar tudo isto em perfeita comunhão: 

“Estai em mim, e eu em vós: como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também, vós, se não estiverdes em mim" (João 15. 4).


III. O DEVER DO TESTEMUNHO

Testemunhar é mais que cooperar, mais que trabalhar. 

Testemunhar é estar pronto a dar a vida pela causa que de¬fende.

1. O crente é uma testemunha de Cristo - Somos testemunhas de Jesus: 

"Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra" - At. 

Há pelo menos dois sentidos quanto ao dever de testemunhar.

2. O testemunho pessoal do crente - Temos que honrar o Evangelho de Jesus e a Igreja de Deus através de nosso modo de Viver. 

É horrível quando um crente envergonha o Evangelho: 

"Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor: andai como filhos da luz" - Ef 5. 

A Igreja de Tessalônica nos dá o exemplo de tes-temunho e vida cristã: 

"De maneira que fostes exemplos para todos os fiéis da Macedônia e Acaia" (I Tess1. 7).

3. O dever de evangelizar do crente - Mas, além desse teste¬munho que devemos dar com nosso modo de viver, temos que testemunhar, anunciando o Evangelho. 

A Igreja existe para isso: "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura" (Marcos 16.15).


III. O DEVER DA CONTRIBUIÇÃO

Muita gente ainda não aprendeu o elevadíssimo privilégio e as bênçãos especiais para quem contribui financeiramente para o sustento da Obra de Deus. 

Verifique o que Deus faz ao fiel sustentador de Sua obra (Provérbios 3. 9,10). 

Experimente estas bênçãos em sua vida. Faça prova de Deus!

1. Investindo na Obra de Deus - Duas coisas precisam ser esclarecidas quanto às finanças, em relação ao salvo:  

1. O ímpio gasta seu dinheiro com vícios, prostituição, jogos, bebidas alcoólicas etc. 

O convertido deve ser grato ao Se¬nhor por essa economia com coi¬sas pecaminosas. 

Deve cumprir a Palavra de Deus em sua vida, in¬vestindo financeiramente na Obra de Deus. 

2. Os ímpios progridem financeiramente em suas impiedades. 

E Satanás tem interesse nisso, para segurá-los e sustentá-los em suas impiedades. 

Convertendo-se o ímpio, Satanás não tem interesse em ampará-lo financeiramente. 

Deus protege e faz progredir o crente fiel, enquanto Satanás empobrece o crente infiel. 

Como fica a situação do crente infiel a Deus


2. Tipos de contribuição - O primeiro tipo de sustento da Igreja é o "dízimo". 

É bem antigo o dízimo (Gê¬nesis 14.18-20). 

Abraão, nosso pai na fé, nos deu o exemplo de um dizimista fiel. Por isso ele era um homem abençoado (Gê 13. 2).

 Deus instituiu o dízimo a fim de abençoar e fortalecer o ministério em Sua casa Que seria da casa de Deus sem a contribuição sistemática do seu povo? 

"Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança" (Malaquias 3.10). 

Outro tipo de sustento da Igreja é a "oferta", oferta alçada ou oferta levantada: 

"Quem pois está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Senhor?" (I Crônicas 29. 5b). 

Há quatro coisas a serem consideradas acerca da oferta para a obra do Senhor: 

1. Devemos ofertar com ale¬gria (II Coríntios 9. 7)

A oferta é um serviço à causa de Deus!

2. Devemos manter a comunhão com nos¬sos irmãos enquanto ofertamos (Mateus 5. 23,24)

3. Devemos ofertar com dignidade ao Senhor, e não com menosprezo (Malaquias 1.14).

3. As ofertas voluntárias – Deus, só aceita ofertas voluntárias (I Crônicas 29. 9). 

Muitos têm perdido as bênçãos de Deus porque não apren¬deram a dar para a Obra de Deus (Lucas 6. 38).


CONCLUSÃO

Geralmente as pessoas não gostam de cumprir deveres. 

Desejam pensar nos privilégios e nas bênçãos. 

Esquecem que o cumprimento dos deveres é que produz as bênçãos. 

Quanto mais cumprirmos nossos deveres espirituais, mais re-cebemos as bênçãos de Deus. 

Ele tem celeiros ricos para galardoar seus fiéis!


ORAÇÃO DE ENTREGA

Senhor eu rogo, que me perdoe, e entre em meu coração, e seja Senhor da minha  vida.  

Eu entrego minha vida a Ti, e suplico que faça da minha vida morada do Espírito Santo, agradeço por me amar  dessa  forma  incomparável,  decido  conhecê-lo  mais  aqui  na  Terra,  e  viver  a  eternidade  com  o Senhor meu Deus. 

E nome de Jesus, Amém.

Um Forte Abraço! Nos laços do Calvário que nos une......A serviço do Rei, PR João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário