sexta-feira, 24 de maio de 2013

os degraus da gaça

TEXTO BASE  CL 1: 9 =14

INTRODUÇÃO

TEMA: Degraus da Graça

 “Por esta razão, também nós, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus; sendo fortalecidos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade; com alegria, dando graças ao Pai, que vos fez idôneos à parte que vos cabe da herança dos santos na luz. Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados” (Cl 1: 9=14).

Graça é o favor de Deus por nós sem merecermos.
Vejamos abaixo as diversas manifestações dessa dádiva de Deus a nosso favor, visto que, as nossas obras são como nada diante de Deus.



Vejamos o que diz o texto de Isaias 64: 6:

“Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades, como um vento, nos arrebatam”.

1° A remissão dos pecados: “no qual temos a redenção” (CL 1: 14a).

Remissão: Libertar mediante o pagamento de um preço – “Mas agora, assim diz o Senhor, que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu” (Is 43.1).

Veja também: “o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniquidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras” (Tt 2: 14).

2.  A redenção através do sangue de Cristo: “a remissão dos pecados” (CL 1.14b).

Redenção: Doutrina cristã segunda a qual Jesus Cristo pagou o preço para que o seu povo fosse livre – “não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção” (Hb 9: 12).

3.  A libertação do poder das trevas: “Ele nos libertou do império das trevas” (CL 1.13a).

Libertação: Ato ou efeito de dar ou obter LIBERDADE

“O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos” (Is 61.1).

Veja também:

“Porque estou certo de que isto mesmo, pela vossa súplica e pela provisão do Espírito de Jesus Cristo, me redundará em libertação” (Fp 1: 19).

Jesus é o nosso libertador:

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (1° Jo 3: 8).

4. A transposição para o Reino do Amor: “e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (CL 1.13b).

Transportou: carregou-nos, tirou de um lugar e levou para outro, isto é, nos tirou das trevas da perdição e nos trouxe para luz do seu amor, mesmo sem merecimento, porque estávamos mortos em delitos e pecados (Ef 2.1)

“E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos” (Cl 2: 13).

5. Feitos idôneos para a herança dos santos: “dando graças ao Pai, que vos fez idôneos à parte que vos cabe da herança dos santos na luz” (Vcl 1: 12).

Idôneo: "Capaz; qualificado".

Glória a Deus, somos herdeiros do Pai porque ele nos fez idôneos, portanto somos herdeiros por causa de uma idoneidade que é fruto de um favor sem merecimento, isto é, a graça de Deus.

6.  Fortalecidos com todo poder:

“sendo fortalecidos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade; com alegria” (cl 1: 11).

Fortalecido: vem de fortaleza ou forte, lugar seguro inexpugnável ou seguro.

Esse poder nos traz fortalecimento para sermos perseverantes e longânimes com alegria, isto é, sem sacrifícios – “Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder.

Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Ef. 6: 10,11).

7. Frutificando em toda boa obra:

“a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus” (cl 1: 10).

Frutificar: Dar frutos, reproduzir, dar resultado positivo e vantajoso.

Quando vivemos de modo digno do Senhor, agradamos o seu coração, nos tornamos frutíferos em tudo o que fizermos e crescemos no pleno conhecimento de Deus.

8.  Enchidos com toda a sabedoria e entendimento espiritual:

“Por esta razão, também nós, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual” (cl 1: 9).

Inteligência espiritual: entender o coração do Pai.

Através da inteligência ou sabedoria espiritual recebemos o pleno conhecimento da vontade do Pai.

Vejamos o que Davi escreveu:

“Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruirá no caminho que deve escolher.

Na prosperidade repousará a sua alma, e a sua descendência herdará a terra.

A intimidade do Senhor é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança” (Sl 25: 12,13).

Conclusão: Louvemos ao Senhor pela a sua graça sobre as nossas vidas.

“Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça” (Jo 1: 16).

  A ser=viço do rei Pr. João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário