sexta-feira, 18 de setembro de 2015

VIRGINDADE MASCULINA

TEXTO BASE 1 CORÍNTIOS 13: 4 - 7

INTRODUÇÃO

TEMA: VIRGINDADE MASCULINA

"O verdadeiro amor é paciente, é benigno, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses; o verdadeiro amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta"

4. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

5. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

6. Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

7. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 1 Cor 13: 4-7

A virgindade masculina é tão insignificante hoje em dia, que se um jovem afirmar que ainda é virgem, pode passar por ridículo até em um grupo de amigos cristãos! Mas já é hora de mudarmos os conceitos.

Pode até parecer estranho falar de virgindade nos dias de hoje em um mundo no qual os valores morais estão tão banalizados. Conceitos como honrar pai e mãe, viver uma vida honesta, não procurar os seus próprios interesses, fidelidade conjugal, fornicação e virgindade estão fora de moda; mais isto já era de se esperar, haja vista o mundo estar “debaixo” do maligno e de toda a sua influência.

No entanto, para a igreja os conceitos do mundo não interessam (não somos deste mundo e não devemos nos conformar com ele) somos sal e luz nesta terra.

Hoje estaremos estudando um assunto importante para a família cristã, trata-se da virgindade

Toda experiência que passamos, seja sexual ou qualquer outra é gravada em nosso cérebro; isto é feito através de trilhas de neurônios, ativadas nos vários centros do cérebro responsáveis pelos sentidos e funções fisiológicas.

Muitas dessas trilhas passam no sistema de recompensa do cérebro, conferindo satisfação e prazer.

O sexo é uma das maiores experiências de recompensa que o cérebro oferece ao homem, sendo assim as trilhas de neurônios que veiculam os impulsos sexuais para o hipotálamo são trilhas de preferência aos elétrons que circulam o cérebro em uma atividade sexual ou contato com o sexo oposto.

Essa eletricidade vai estimular a hipófise e neuro-transmissores serão liberados, glândulas secundárias também serão ativadas e hormônios despejados na corrente sanguínea, nos oferecendo o prazer da relação sexual.

Essa experiência é tão marcante e significativa, que a primeira relação sexual determina os rumos que tomarão a nossa vida sexual e nosso patrimônio emocional.

Traumas são comuns nas primeiras experiências sexuais quando ocorrem de forma antecipada, violenta ou abusiva; a experiência sexual para o cérebro é muito impressiva, e ocorrendo de forma traumática, vai estabelecer conexões neuronais que impedirão um prazer ou relação normal.

Os traumas sexuais e outros mais são difíceis de serem tratados e requerem tempo devido a essas fortes impressões que são feitas no cérebro. Serão necessárias muitas terapias para uma reconceituação subconsciente e formação de novas trilhas para o prazer onde a violência e o abuso estejam fora dos caminhos da memória.

Daí a importância da primeira relação sexual; os estímulos e o nível de prazer oferecidos irão dopar a pessoa a um nível viciante, e se for uma única pessoa estabelece-se a fidelidade.

Caso ocorram várias relações furtivas e com pessoas diferentes surge o mecanismo da promiscuidade.

Como o homem é ativado sexualmente pela visão, o mecanismo da promiscuidade vai sempre lhe estar apresentando a possibilidade de prazer com mulheres variadas.

Como o homem geralmente não tem uma única relação sexual (a maioria) grava em sua memória um patrimônio afetivo diversificado; o prazer sexual passa a ser na diversidade de companheiras sexuais.

A virgindade masculina garante uma grande possibilidade de sucesso na fidelidade conjugal e estabilidade emocional; a promiscuidade sexual é uma programação do cérebro para o prazer na diversidade, ou na furtividade emocional.

Um jovem que se mantêm virgem para o casamento tem grandes possibilidades de sucesso na sua vida emocional e afetiva.

A sua experiência sexual, com certeza vai ser mais prazerosa, pois não vai haver comparações com experiências anteriores.

O risco do adultério não vai estar ausente, é obvio, mas prazer sexual para este indivíduo, não será na variedade sexual.

Muitos poderão dizer que aqueles que se casam virgens, também desfazem os casamentos ou praticam o adultério.

Concordo, não é o fato de se manter virgem que nos eliminará o ´virus´do pecado.

Mas o indivíduo que controla os seus impulsos e se mantêm firme em seus princípios, honrando a Deus, tem maiores chances de vitória e sucesso.

O próprio Criador capacitará a esses, dando-lhes força moral, pureza e fidelidade, que são os frutos do Espírito!

Lembrem se: Em troca de alguns minutos de prazer, são feitas feridas profundas na alma e no corpo, que podem deixar conseqüências irreparáveis.


A DIFERENÇA ENTRE A FORNICAÇÃO PARA O ÍMPIO E PARA O CRENTE:



A Diferença entre a fornicação para o ímpio e para o crente

Quando um ímpio cai em pecado na área sexual, como em qualquer outra área da sua vida, ele o faz sem ter Deus em seu coração, desconhecendo a vontade do Senhor, embora a maior parte saiba que é errado (At 17. 30).

Quando uma moça que não é mais virgem aceita a Cristo como seu Senhor, para Deus ela se torna como uma virgem e os seus pecados são perdoados (Is 1.18; IICo 5.17; Hb 8.12; 10. 17).

Não podemos comparar este caso com o de uma pessoa que já entregou a vida Jesus; neste caso, o pecado de fornicação é bem mais sério; vejamos:

1º O seu corpo é o templo do Espírito Santo ( I Co 6.19,20)

2º Conhece a vontade de Deus

3º Quebra a santidade da igreja (ICo 3.16,17)

4º Traz conseqüências sérias para terceiros

FATORES QUE LEVAM A FORNICAÇÃO:

1. Falta de temor a Deus

2. Falta de temor da igreja com a banalização da disciplina

3. Falta de vigilância

4. Carícias (certas intimidades- Pv 6.27)

5. Contato com material pornográfico

6. Ensino mundano

7. Propaganda na mídia

Conclusão
Melhor é para o jovem manter a pureza na sua mocidade, a virgindade é importante para o servo de Deus e deve ser cultivada na família e na igreja.

A fornicação, ao contrário, causa diversos problemas para quem a pratica, contaminando o próprio corpo e a igreja do Senhor, sendo portanto um pecado gravíssimo, devendo ser tratado.

Ou não sabeis que o nosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus? Não sois de vós mesmos; fostes comprados por bom preço. Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo (e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus. I Co 6: 19 – 20)

Um Forte Abraço!! Nos laços do Calvário que nos une......A serviço do Rei, Pr João Nunes Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário